Fãs e elenco de Everything Sucks! se mobilizam para Netflix “descancelar” a série

Fãs e elenco de Everything Sucks! se mobilizam para Netflix “descancelar” a série

 

Os fãs e o elenco de “Everything Sucks” resolveram fazendo uma campanha nas redes sociais para a Netflix reverter a decisão de cancelar a série, após o anúncio da plataforma de que não haveria uma 2ª temporada.

Comparada à cultuada “Freaks and Geeks” (1999), de Judd Apatow, a série sobre a juventude dos anos 1990 combinava drama e comédia e, com o cancelamento, ficou sem fim, já que o último episódio termina num cliffhanger – a famosa situação-limite que precisa ser resolvida no próximo capítulo.

A protagonista Peyton Kennedy, que vive a adolescente lésbica Kate Messner, filha do diretor da escola, e Jahi Di’Allo Winston, que vive Luke, seu melhor amigo na série, resolveram encorajar os fãs a se manifestarem para continuar a história da atração.

A série era criação de uma dupla em ascensão no cinema indie americano, o ator e roteirista Ben York Jones (“Newness”) e o diretor e roteirista Michael Mohan (“Save the Date”), que também foram ao Twitter com a hashtag #RenewEverythingSucks.

Peyton Kennedy ainda lançou sua própria hashtag, #IAmKateMessner, em homenagem à sua personagem. “Como vocês, estou de coração partido, mas sou grata por ter retratado essa personagem complexa e importante. Kate, dolorida e não assumida, se transformou em um ícone adolescente. O amor dos fãs e críticos é um testemunho do poder de sua voz única. Eu admiro vocês por levantarem suas vozes únicas. #IAmKateMessner”, escreveu a jovem atriz de apenas 14 anos de idade.

Há precedentes para a influência dos fãs nas decisões da plataforma de streaming. Anteriormente, pressão dos fãs fez a Netflix encomendar um telefilme de encerramento da série “Sense8”, após seu cancelamento. O detalhe é que a produção de “Everything Sucks!” é muito mais barata que da série sci-fi das irmãs Wachowski.

Ao todo, foram produzidos 12 episódios de “Everything Sucks”, disponibilizados em 16 de fevereiro.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna