Estreias: Cinemas brasileiros recebem mais dois candidatos ao Oscar 2018

 

Com “Pantera Negra” dominando os cinemas, a semana tem somente cinco estreias, todas com passagens por festivais. O maior lançamento chega em apenas 222 salas. Entre as novidades, há dois filmes com indicações ao Oscar 2018. Clique nos títulos de cada lançamento para ver os trailers de toda a programação.

Dentre as cinco opções, a melhor estreia é o drama “Trama Fantasma”, que marca a despedida do ator Daniel Day-Lewis (“Lincoln”) do cinema. Ele anunciou sua aposentadoria e escolheu se despedir num reencontro com o diretor Paul Thomas Anderson, uma década após a bem-sucedida parceria da dupla em “Sangue Negro” (2007).

O papel de Day-Lewis é baseado na vida do revolucionário estilista britânico Charles James, estabelecido em Nova York e celebrado como o “Primeiro Costureiro da América”. Na trama, um renomado costureiro (Day-Lewis), que veste a realeza britânica, as estrelas de cinema e a alta sociedade dos anos 1950, nunca se envolveu romanticamente com as mulheres que passaram por sua vida, até encontrar uma jovem (a luxemburguesa Vicky Krieps, de “O Homem Mais Procurado”), que se torna uma obsessão, musa, modelo e amante.

A produção tem fotografia deslumbrante, assinada pela primeira vez pelo próprio Anderson, mas o destaque técnico pertence ao figurino, como seria próprio pela premissa, e à trilha sonora, composta por outro importante colaborador do cineasta, o músico Johnny Greenwood, guitarrista da banda Radiohead. O trabalho rendeu a primeira indicação da carreira de Greenwood para o Oscar.

Ao todo, “Trama Fantasma” disputa seis Oscars, entre eles Melhor Filme, Direção e, claro, Ator – e tem 91% de aprovação no site Rotten Tomatoes.

A estreia mais ampla, por sua vez, é “Pequena Grande Vida”, que teve première no Festival de Veneza 2017, apesar de não ser um “filme de festival”. Trata-se de uma comédia com elementos de ficção científica que pretende servir de sátira social, mas não se mostra, literalmente, à altura da tarefa. A trama se passa num futuro próximo, quando já existe uma solução tecnológica para a crise financeira: miniaturização. O casal vivido por Matt Damon (“Jason Bourne”) e Kristen Wiig (“Caça-Fantasmas”) percebe que sua vida seria muito melhor caso conseguissem encolher, pois a redução de tamanho também reduziria suas despesas. Entretanto, a mulher desiste no último instante, deixando o personagem de Damon sozinho – e em miniatura.

O longa representa uma mudança de tom para o cineasta Alexander Payne, conhecido por comédias dramáticas e premiadas como “Sideways” (2004), “Os Descendentes” (2011) e “Nebraska” (2013). A iniciativa, porém, foi considerado medíocre, com 51% de aprovação no Rotten Tomatoes, e deu prejuízo – custou US$ 68 milhões e rendeu só US$ 24,4 milhões na América do Norte.

“A Grande Jogada” marca a estreia na direção do premiado roteirista Aaron Sorkin (“A Rede Social”, “Steve Jobs”). Como suas histórias mais conhecidas, trata-se de uma cinebiografia, ainda que inconvencional. O filme acompanha a trajetória da ex-esquiadora Molly Bloom que, após não conseguir se classificar para as Olimpíadas, começou a organizar jogatinas ilegais, virando a “Princesa do Poquêr” ao atrair astros famosos do cinema, como Matt Damon, Ben Affleck e Tobey Maguire, para seu clube privado e clandestino de apostas. Até que sua vida glamourosa, de muita ostentação, passa a chamar a atenção da máfia russa para o negócio, além da Justiça americana.

Apesar da história ser real, apenas Molly, vivida por Jessica Chastain (“A Colina Escarlate”), teve a identidade real preservada na produção, que ainda destaca Idris Elba, no papel do advogado de Bloom. Indicado a um Oscar – Melhor Roteiro Adaptado, para manter a tradição de Sorkin – , o filme tem 82% de aprovação no Rotten Tomatoes.

Representante do bom cinema argentino contemporâneo, “Minha Amiga do Parque” chega ao Brasil dois anos após ser premiado no Festival de Sundance 2016 por seu roteiro. Escrito, dirigido e estrelado por Ana Katz, transforma a solidão de uma jovem mãe num suspense, ao relatar como a rotina de levar seu bebê ao parque a aproxima de outras mães envolvidas no mesmo cotidiano, até desconfianças alimentarem paranoia sobre a mais simpáticas de todas não ser o que aparenta.

Por fim, “Paulistas” é um documentário brasileiro filmado com olhar realmente cinematográfico, com bastante destaque para a fotografia e seus “personagens”, feito obra de ficção. O apuro técnico – alguns diriam lírico – arrebata e surpreende por ser a estreia na direção de longas de Daniel Nolasco. O título não se refere aos moradores do estado de São Paulo e sim a uma curiosa região rural de Goiás em que não há jovens. O documentário registra o período de férias, quando três irmãos ausentes visitam os pais nesse lugar onde o tempo parece corroer tudo. Foi selecionada para o festival alemão de documentários Dok Leipzig 2017.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna