Entrevista antiga em que Tarantino defende Polanski de estupro de menor “quebra a internet”

Entrevista antiga em que Tarantino defende Polanski de estupro de menor “quebra a internet”

 

Uma antiga entrevista em que Quentin Tarantino defendeu Roman Polanski de estupro de menor voltou à tona, no rastro da entrevista em que Uma Thurman revelou um acidente grave sofrido no set de “Kill Bill” e após afirmações de que Polanski será personagem do próximo filme do diretor.

O timing da entrevista coincide com a época em que Uma Thurman diz ter confidenciado a Tarantino que Harvey Weinstein a atacou sexualmente. Desencavada pelo site Jezebel, a entrevista traz o diretor conversando com o locutor Howard Stern sobre o filme “Kill Bill” em 2003.

Em certo ponto da conversa, Tarantino defende o diretor francês, que confessou na justiça ter abusado em 1973 de Samantha Geimer, que na época tinha 13 anos.

Tarantino diz que o caso não deveria ser tratada como “estupro de criança”. “Ele não estuprou uma criança de 13 anos”, disse o diretor. “Ele fez sexo consentido com uma menor de idade. Não é estupro. Para mim, quando você usa a palavra estupro, vocês está falando de violência, de jogar a pessoa no chão. É um dos tipos de crimes mais violentos do mundo. Você não pode sair jogando a palavra estupro assim. É como usar a palavra racista por aí. Não se aplica a todas as pessoas que a usam. Ele foi culpado de fazer sexo com uma menor”.

Porém, de acordo com o entendimento da legislação americana, a criança não tem discernimento para consentir ou não o ato sexual e presume que nestes casos sempre há uma coerção do adulto. Vale lembrar que a condenação de Polanski diz que ele teria drogado a garota.

A conversa segue, com Tarantino defendendo Polanski porque a menina “estava a fim”. “Ela esta a fim e já falou disto. Tenho certeza que ela mencionou isso em público, tipo: ‘Não, ele não fez nada de errado comigo, foi uma tecnicalidade porque eu tinha 13 anos…’. Agora ela é uma adulta e conta o outro lado da história”.

Quando Howard Stern questiona que Polanski deveria procurar mulheres adultas, Tarantino proclama: “Ele gosta de meninas!”. Stern, então, pergunta o que Tarantino faria se fosse sua filha. “Poria uma bala na cabeça de Polanski”.

“Você o mataria?”, quis saber o radialista. “Eu o encheria de porrada, mas a situação não é que ela tenha sido contra aquilo, ela estava disposta a farrear com Roman. Vamos chamar como de fato foi. Ela estava a fim de festa. Eu não acredito que é estupro com essas garotas festeiras de 13 anos”.

A internet quebrou após a última frase, tamanha a repercussão nas redes sociais. Em seguida, o áudio foi retirado do ar.

Diretor de filmes de sucesso como “O Bebê de Rosemary” (1968), “Chinatown” (1974) e “O Pianista” (2002), Polanski foi acusado de violentar Samantha Geimer em 1977, quando ela tinha 13 anos, após uma sessão de fotos em Los Angeles, na casa de Jack Nicholson. Ele tinha 43 anos.

Embora tenha celebrado um acordo judicial, declarando-se culpado e cumprido pena de 42 dias na prisão, Polanski fugiu para a França ao obter liberdade condicional, antes de uma nova audiência em 1978, temendo que seu acordo original fosse revisto por outro juiz. Como é cidadão francês, ele não poderia ser extraditado do país, o que o tornou, desde então, foragido da justiça americana.

Nos últimos anos, Polanski foi acusado de estupro por mais quatro mulheres, que eram menores quando teriam sido abusadas pelo diretor nas décadas de 1970 e 1980. Duas delas são atrizes: a alemã Renate Langer (“A Armadilha de Vênus”) e a britânica Charlote Lewis (“O Rapto do Menino Dourado”).

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.