Estreia da nova série do universo de Star Trek é adiada para maio de 2017

Estreia da nova série do universo de Star Trek é adiada para maio de 2017

 

Os fãs de “Star Trek” vão ter que esperar um pouco mais para conhecer a nova série derivada da franquia cinquentenária. A estreia de “Star Trek: Discovery” foi adiada em quatro meses, para maio de 2017. Segundo comunicado da rede americana CBS, os motivos foram criativos e de produção.

No texto, os responsáveis pela série afirmam que não querem comprometer a qualidade da pós-produção e o resultado final por ter de cumprir o cronograma da estreia, e que decidiram, junto com a CBS, adiar o lançamento. “Relançar ‘Star Trek’ na televisão implica uma responsabilidade e uma missão: agradar tanto os fãs como os novatos com a série que alimentou nossa imaginação desde a infância”, diz o texto, assinado em conjunto por Alex Kurtzman (série “Fringe”) e Bryan Fuller (série “Hannibal”).

Neste sentido, eles argumentaram que “Star Trek” merece “o melhor” e destacaram que esses “meses extras” ajudarão a criar uma série da qual todos possam “estar orgulhosos”.

Os dois tem uma ligação afetiva com a franquia e representam duas gerações distintas de roteiristas de “Star Trek”. Kurtzman escreveu os filmes recentes “Star Trek” (2009) e “Além da Escuridão – Star Trek” (2013), enquanto Fuller começou a carreira em 1997 como roteirista das séries “Star Trek: Deep Space Nine” e “Star Trek: Voyager”. Além deles, a série também conta com Nicholas Meyer, diretor-roteirista do melhor filme da franquia, “Jornada nas Estrelas II – A Ira de Khan” (1982), que representa ainda uma terceira geração de autores trekkers na produção.

Por enquanto, pouco se sabe sobre a trama da série, a sétima da franquia iniciada em 1966 com o lançamento de “Jornada nas Estrelas” na televisão americana. Durante a última edição da Comic-Con de San Diego, Fuller disse que a nova série seguirá apostando numa mensagem de esperança para o futuro. “Uma das coisas mais bonitas de ‘Star Trek’ é que as pessoas que assistem o programa querem se transformar em cientista, querem ir ao espaço”, comentou Fuller. “Temos que festejar a progressão de nossa espécie, porque atualmente parece que precisamos de um pouco de ajuda”, acrescentou o produtor, que lembrou também que “Star Trek” celebra a diversidade e a aceitação das diferenças.

Mais recentemente, durante evento da TCA (Associação de Críticos da TV dos EUA), Fuller adiantou que, em vez de um capitão, o membro de escalão mais alto da tripulação da nave Discovery será um tenente. Segundo o criador da atração, a decisão permitirá à série explorar histórias de um ponto de vista diferente. E este ponto de vista será de uma mulher.

A trama vai se passar dez anos antes do Capitão Kirk subir à bordo da Enterprise. Na cronologia, isto representa o elo perdido entre “Star Trek: Enterprise” e a série clássica “Jornada nas Estrelas”. Além disso, Fuller revelou que a missão da Discovery deverá se concentrar num evento já referido na mitologia de “Star Trek”, mas que “nunca foi totalmente explorado”.

“Star Trek: Discovery” será lançada no Brasil pelo Netflix.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna