Kristen Stewart pode viver JT Leroy, falsa escritora transexual que virou celebridade

 
 

As atrizes Kristen Stewart (“Acima das Nuvens”) e Helena Bonham Carter (“As Sufragistas”) estão em negociações para se juntar a James Franco (“A Entrevista”) em “JT LeRoy”, cinebiografia de uma famosa farsante. A informação é do site The Hollywood Reporter.

O filme vai contar a história verídica por trás do sucesso de JT LeRoy, uma mulher que fingiu ser um homem, que por sua vez se dizia transexual, e que apresentou outro pessoa como ela própria, conseguindo enganar o círculo de celebridades, a mídia, o mundo da moda, o círculo literário e até a indústria cinematográfica.

Jeremiah “Terminator” LeRoy foi o pseudônimo usado pela autora norte-americana Laura Albert com o objetivo de alcançar o sucesso com falsos livros autobiográficos. Com um passado de prostituição, drogas e homossexualidade, a autora causou sensação e, por ocasião da publicação do primeiro livro, “Sarah”, em 1999, sua cunhada Savannah Knoop começou a dar entrevistas como LeRoy. Usando o pseudônimo, Laura produziu filmes como “Elefante” (2003), de Gus Van Sant, e “Maldito Coração” (2004), de Asia Argento, baseado num livro de JT LeRoy, e sempre que precisava participar de reuniões ou aparecer em público convocava Savannah. Apenas em 2005 a farsa foi revelada.

A história do filme “JT LeRoy” será baseada no livro de memórias de Savannah, “Girl Boy Girl: How I Became JT LeRoy”, sobre os seis anos em que fingiu ser uma escritora transexual. Caso a negociação avance, Helena viveria Laura Albert, Kristen seria Savannah Knoop e Franco, provavelmente, Geoffrey Knoop, o marido de Laura.

Roteiro e direção estão a cargo de Justin Kelly, que dirigiu James Franco em “I Am Michael”, outra história controversa sobre celebridade real – no caso, um ex-ativista gay que se torna pastor homofóbico.

Não há previsão para o começo das filmagens ou data de estreia da produção.

Mais Pipoca

 

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna