Último Jogos Vorazes tem pior estreia da franquia nos EUA

Último Jogos Vorazes tem pior estreia da franquia nos EUA

 

A estreia de “Jogos Vorazes: A Esperança – O Final” rendeu US$ 101 milhões nas bilheterias dos EUA, ocupando facilmente o 1º lugar como o filme mais visto do fim de semana. O valor é a quinta maior arrecadação de estreia do ano. Mesmo assim, o estúdio Lionsgate lamentou o resultado. Isto porque o valor ficou muito abaixo do lançamento dos capítulos anteriores da franquia – “Jogos Vorazes” (2012) abriu com US$ 152 milhões, “Em Chamas” (2013) com US$ 158 milhões e “A Esperança – Parte 1” com US$ 121 milhões.

O rendimento abaixo do esperado causou preocupação no estúdio, porque, além do orçamento de produção não revelado, foram gastos mais de US$ 200 milhões em marketing, segundo estimativa da imprensa americana. Por esta conta, para o filme dar lucro, será necessário que arrecade mais de US$ 1 bilhão em todo o mundo. Uma aposta maluca, considerando que “A Esperança – Parte 1” fez US$ 755 milhões mundialmente.

A estratégia de lançamento mundial simultâneo vai render rapidamente um valor consolidado. No mercado internacional, o filme já somou US$ 146 milhões, incluindo as estreias na China e até no Brasil. A soma, que atinge US$ 247 milhões mundiais, deixa o mercado ainda mais nervoso.

Só pela projeção fornecida pelos números da estreia na sexta-feira (20/11), as ações da Lionsgate caírem mais de 3 por cento. Agora, espera-se outra queda quando a bolsa de valores abrir seu pregão na segunda.

Alheio a estas peculiaridades, os fãs lotaram os cinemas para ver o quarto “Jogos Vorazes”, praticamente ignorando as demais estreias. Com “007 Contra Spectre” (US$ 14 milhões) e a animação “Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, o Filme” fechando o Top 3, todos os lançamentos do fim de semana tiveram desempenhos pífios. Rendendo apenas um décimo do sucesso da sci-fi estrelada por Jennifer Lawrence, a comédia natalina “The Night Before”, com Joseph Gordon-Levitt e Seth Rogen, ficou em 4º lugar. O detalhe é que custou somente US$ 23 milhões para ser produzida.

Péssima mesmo foi a estreia de “Olhos da Justiça”, o remake do suspense argentino “O Segredo de Seus Olhos”. Mesmo com Nicole Kidman e Julia Roberts no elenco, faturou apenas US$ 6,6 milhões. Mais uma prova de que o público americano não se interessa por remakes de filmes estrangeiros. É óbvio que os interessados já viram o original, disponível em diversas mídias e popularizado pela vitória no Oscar. Difícil é entender porque Hollywood insiste em continuar produzindo tantas refilmagens, diante do histórico crescente de prejuízos.

BILHETERIA: TOP 10 EUA

[symple_column size=”one-half” position=”first” fade_in=”false”]

1. Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
Fim de semana: US$ 101 milhões
Total EUA: US$ 146 milhões
Total Mundo: US$ 247 milhões

2. 007 Contra Spectre
Fim de semana: US$ 14,6 milhões
Total EUA: US$ 153,7 milhões
Total Mundo: US$ 677,8 milhões

3. Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, O Filme
Fim de semana: US$ 12,8 milhões
Total EUA: US$ 98,9 milhões
Total Mundo: US$ 108,7 milhões

4. The Night Before
Fim de semana: US$ 10,1 milhões
Total EUA: US$ 10,1 milhões
Total Mundo: US$ 10,1 milhões

5. Olhos da Justiça
Fim de semana: US$ 6,6 milhões
Total EUA: US$ 6,6 milhões
Total Mundo: US$ 6,6 milhões

[/symple_column]

[symple_column size=”one-half” position=”last” fade_in=”false”]

6. O Natal dos Coopers
Fim de semana: US$ 3,9 milhões
Total EUA: US$ 14,9 milhões
Total Mundo: US$ 14,9 milhões

7. Perdido em Marte
Fim de semana: US$ 3,7 milhões
Total EUA: US$ 213 milhões
Total Mundo: US$ 486,4 milhões

8. Spotlight
Fim de semana: US$ 3,6 milhões
Total EUA: US$ 5,8 milhões
Total Mundo: US$ 5,8 milhões

9. Os 33
Fim de semana: US$ 2,2 milhões
Total EUA: US$ 9,9 milhões
Total Mundo: US$ 22,5 milhões

10. Ponte dos Espiões
Fim de semana: US$ 1,9 milhão
Total EUA: US$ 65,1 milhões
Total Mundo: US$ 85,1 milhões

[/symple_column]

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna