Revista Cahiers du Cinema divulga lista polêmica de melhores do ano

Revista Cahiers du Cinema divulga lista polêmica de melhores do ano

 

A tradicional revista francesa Cahiers du Cinema, berço do movimento nouvelle vague, publicou sua lista de melhores filmes do ano, como sempre deixando de fora os lançamentos de dezembro. E esta pode ser a pior seleção já feita pela publicação, escancarando os cacoetes da crítica mais afetada, na tentativa de valorizar a produção cinematográfica francesa e os queridinhos superestimados de outros carnavais.

O vencedor foi a produção “Mia Madre”, dirigida pelo italiano Nanni Moretti, seguido por “Cemetery of Splendour”, do tailandês Apichatpong Weerasethakul, e “L’Ombre des Femmes”, de Philippe Garrel. Todos os três são produções (ou coproduções) francesas. E, apesar de dirigidas por darlings da crítica, nenhum deles conquistou qualquer destaque no circuito dos festivais internacionais. Exibido em Cannes e no Festival do Rio, “Mia Madre” venceu apenas um prêmio paralelo, do júri ecumênico, no evento francês. Trata-se da velha história de uma cineasta em crise, que precisa lidar com um astro galanteador, o fim de um relacionamento e a doença da mãe.

Mas o “ponto alto” da lista é o 4º colocado, “O Cheiro da Gente”, de Larry Clark, produção francesa do diretor de “Kids” (1995) que foi destruída pela crítica americana – chamado de “poser” pela revista Slant.

O filme americano mais bem-colocado foi “Mad Max – Estrada da Fúria”, do australiano George Miller. E o único latino lembrado foi o argentino “Jauja”, uma coprodução francesa (claro) e das menos expressivas do ano em que o cinema latino-americano consagrou-se campeão dos festivais.

A lista ainda traz “Vício Inerente”, de Paul Thomas Anderson, a obra-prima inevitável de Miguel Gomes “As Mil e uma Noites” e o superestimado “Para o Outro Lado”, de Kiyoshi Kurosawa, mas também a inclusão de uma boa surpresa do ano: “The Summer of Sangaile”, coprodução lituano-francesa premiada no Festival de Sundance, que tem motivos concretos para se tornar mais conhecida.

[symple_divider style=”dashed” margin_top=”20″ margin_bottom=”20″]

TOP 10 CAHIERS DU CINEMA: Melhores filmes de 2015

[symple_column size=”one-half” position=”first” fade_in=”false”]

MIA-MADRE-POSTER

[/symple_column]

[symple_column size=”one-half” position=”last” fade_in=”false”]

1. Mia Madre, de Nanni Moretti

2. Cemetery of Splendour, de Apichatpong Weerasethakul

3. L’Ombre des Femmes, de Philippe Garrel

4. O Cheiro da Gente, de Larry Clark

5. Mad Max: Estrada da Fúria, de George Miller

6. Jauja, de Lisandro Alonso

7. Vício Inerente, de Paul Thomas Anderson

8. As Mil e uma Noites, de Miguel Gomes

9. The Summer of Sangaile, de Alante Kavaite

10. Para o Outro Lado, de Kiyoshi Kurosawa

[/symple_column]

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna