Perdidos no Espaço é renovada para a 2ª temporada

Perdidos no Espaço é renovada para a 2ª temporada

 

A Netflix anunciou a renovação de “Perdidos no Espaço” (Lost in Space) para sua 2ª temporada em suas redes sociais. O anúncio vídeo, que pode ser conferido abaixo.

Remake da série homônima clássica dos anos 1960, “Perdidos no Espaço” foi um dos principais lançamentos da Netflix no primeiro semestre. Embora o serviço de streaming não divulgue seus números oficialmente, a auditoria da Nielsen avaliou que a série atraiu 6,3 milhões de internautas em seus primeiros três dias de lançamento, no início de abril.

A empresa de medição de audiência descobriu que a série foi muito “maratonada” – com quase 1,2 milhão de pessoas tendo assistido ao episódio final da série ainda nesses três primeiros dias.

Assim como a série original, a nova versão se passa 30 anos no futuro (no final dos anos 2040) e acompanha os desafios de uma família que se perde no espaço – desta vez, porém, eles não estão sozinhos.

“Perdidos no Espaço” é estrelado por Toby Stephens (série “Black Sails”) como John Robinson, Molly Parker (série “House of Cards”) como Maureen Robinson, o menino Maxwell Jenkins (série “Sense8”) como Will, a adolescente Taylor Russell (série “Falling Skies”) como Judy, Mina Sundwall (“O Plano de Maggie”) como Penny, o argentino Ignacio Serricchio (série “Bones”) como o agora mecânico Don West e Parker Posey (“O Homem Irracional”) como uma pseudo-“Dra. Smith”.

As maiores mudanças em relação ao casting original ficaram por conta da troca de sexo do vilão Dr. Smith, imortalizado por Jonathan Harris, e a inclusão de um latino (Serricchio) e uma mulher negra (Russell). Por sinal, Don e Judy formavam um casal na série clássica. Além disso, o robô, que imortalizou a frase “Perigo, Will Robinson”, virou alienígena.

O remake foi escrito por Matt Sazama e Burk Sharpless, autores dos filmes “Dracula – A História Nunca Contada” (2014), “O Último Caçador de Bruxas” (2015) e “Deuses do Egito” (2016), um pior que o outro. Mas o showrunner da atração é Zack Estrin, roteirista-produtor de “Prison Break” (e criador da fraquíssima “Once Upon a Time in Wonderland”).

Não há previsão para a estreia da próxima temporada, mas os primeiros episódios levaram dois anos para serem produzidos.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna