Amazon salva The Expanse do cancelamento com anúncio da 4ª temporada

Amazon salva The Expanse do cancelamento com anúncio da 4ª temporada

 

A série “The Expanse” sobreviveu ao cancelamento no canal pago Syfy. A Amazon irá produzir sua 4ª temporada, continuando sua trama épica e ambiciosa em streaming.

O anúncio foi feito por ninguém menos que Jeff Bezos, o multibilionário que criou a Amazon, durante um evento da National Space Society (Sociedade Espacial dos Estados Unidos) com participação de integrantes do elenco da série.

“Eu estava conversando com o elenco há meia hora, antes do intervalo para o jantar. Eu estava dizendo a eles que estávamos trabalhando duro na Amazon para salvar ‘The Expanse’, mas ainda não estava feito. Dez minutos atrás, fui avisado que ‘The Expanse’ estava salvo ”, disse Bezos sob uma explosão efusiva de aplausos. “A série é extraordinária e esses caras são incrivelmente talentosos”, acrescentou, apontando para a mesa em que se encontrava o elenco.

O ator canadense Cas Anvar, que interpreta o piloto marciano Alex Kamal, gravou o pronunciamento e o postou em seu Twitter. Veja abaixo a festa realizada diante da notícia, especialmente entre os atores.

A série tinha sido cancelada ao atingir seu melhor momento. A 3ª temporada de “The Expanse” está com 100% de aprovação da crítica, na média do site Rotten Tomatoes. Entretanto, vinha registrando baixa audiência, com 570 mil telespectadores por episódio e média de 0,18 ponto na demo (a faixa demográfica de adultos entre 18 e 49 anos, mais relevante para os anunciantes). O que não correspondia ao investimento, já que era considerada a atração mais cara do SyFy, graças a efeitos visuais cinematográficos.

Mas “The Expanse” não é apenas visualmente deslumbrante. Seu universo, com inúmeros personagens e diferentes alianças, foi construído de forma paciente e complexa, como apenas a literatura costuma realizar – por isso, era considerada um “Game of Thrones” espacial.

Não por acaso, a atração é baseada numa franquia literária: “Leviathan Wakes”, escrita por James S.A. Corey. E embora os episódios atuais pareçam apontar para a resolução da trama, eles adaptam apenas o segundo volume de um total de seis livros.

Tanto que os diretores da produtora Alcon Entertainment foram buscar um novo canal/plataforma para continuar a história. A ironia do contrato com a Amazon é que a série é distribuída internacionalmente pela Netflix.

Desenvolvida pela dupla Mark Fergus e Hawk Ostby (roteiristas de “Homem de Ferro”), a série se passa 200 anos no futuro, quando a Terra vive uma crise política com suas colônias em Marte e o cinturão de asteroides. A situação é agravada pelo ataque a uma nave espacial terrestre, falsamente creditado à Marte, e por um teste com arma biológica num asteroide habitado, ecoando uma conspiração interplanetária que pretende conduzir a uma guerra entre mundos.

O elenco multinacional é encabeçado por Steven Strait (série “Magic City”), Shohreh Aghdashloo (“Star Trek: Sem Fronteiras”), Wes Chatham (“Jogos Vorazes – A Esperança – Parte 1”), Cas Anvar (série “Olympus”), Dominique Tipper (“Academia de Vampiros: O Beijo das Sombras”), Jared Harris (série “Mad Men”), Frankie Adams (do vindouro “Máquinas Mortais”) e Chad Coleman (série “The Walking Dead”). Além deles, a 3ª temporada ainda acrescentou a Elizabeth Mitchell (das séries “Lost” e “Revolution”).

Os episódios inéditos da série passarão a ser disponibilizados na Amazon em 2019. Enquanto isso, ainda há metade da temporada atual para ser exibida no canal Syfy.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Change privacy settings