Sandy defende virgindade digital contra a pirataria na Netflix

Sandy defende virgindade digital contra a pirataria na Netflix

 

A cantora e atriz Sandy é a estrela de uma nova campanha da Netflix para divulgação de uma de suas produções, que também embute uma mensagem anti-pirataria. Com um tom que parece defender a abstinência sexual e a castidade, evocando o suposto comportamento pudico da época em que Sandy era solteira, o mote da divulgação é “Eu resolvi esperar”, com direito a hashtag.

“A gente tem que resistir e esperar a hora certa”, diz Sandy. Mas o suposto teor sexual da mensagem é, na verdade, um alerta contra a pirataria.

O vídeo foi feito para divulgar a segunda parte da série espanhola “La Casa de Papel”, que virou frisson nacional. O problema é que os capítulos que chegam agora ao catálogo internacional da Netflix estrearam em outubro na Espanha. A demora para a disponibilização no serviço streaming fez com que muitos fãs assistissem à série por meio ilegais na internet.

O vídeo ainda conta com o “relato” de jovens que resistiram à tentação de perder a virgindade digital, diante da possibilidade de pegar “um vírus” e não gozar sua primeira vez com a série da melhor forma possível — o vírus, no caso, seria uma consequência de entrar em sites perigosos de pirataria.

“São milhares de pessoas que resolveram não se entregar”, declara Sandy no vídeo. “Quem se resguardou para esse momento vai aproveitar da melhor forma possível, porque tudo tem a sua hora.”

Criada por Álex Pina (da também cultuada série sci-fi “El Barco”), “La Casa de Papel” chega nesta sexta (6/4) na Netflix.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna