Gotham revela o Coringa e registra a pior audiência de sua história

Gotham revela o Coringa e registra a pior audiência de sua história

 

A introdução do Coringa na série “Gotham” teve bastante repercussão na mídia. Mas o público não poderia ter se impressionado menos.

O episódio “That’s Entertainment”, exibido na noite de quinta (12/4) nos Estados Unidos, teve a pior audiência já registrada em toda a série, visto por apenas 2,36 milhões de telespectadores e marcando 0,7 ponto na demo (a faixa demográfica de adultos entre 18 e 49 anos, mais relevante para os anunciantes).

Pesou no desinteresse o anticlímax da revelação. O público que acompanhava a evolução do palhaço circense Jerome Valeska pode ter rejeitado a “surpresa” da produção, que de última hora resolveu introduzir um irmão gêmeo que ninguém sabia que existia, embora não fosse preciso ser Batman para perceber que esse era o rumo que a trama tomava. Assim, todo o trabalho de desenvolvimento do personagem foi abandonado em favor de uma reviravolta antiquada de telenovela, que resultou na transformação do Palhaço do Crime em… o Arquiteto do Crime!

Isto mesmo, Jeremiah Valeska é um arquiteto renomado, construtor de prédios importantes de Gotham City, apesar de ter a aparência de quem ainda está na faculdade.

Difícil de engolir?

Ao menos, o ator Cameron Monaghan já tinha sido aprovado como Coringa pelo público, quando era apenas Jerome. Como Jeremiah, ele continua o mesmo, apenas com outro nome e maquiagem.

O detalhe é que a série (ainda) não o nomeou como Coringa. A atração também levou tempo para introduzir o Pinguim e o Charada pelos nomes que os consagraram nos quadrinhos. Mas isso não afasta totalmente a sensação de que Jerome e Jeremiah podem ter um terceiro gêmeo escondido num arquivo de aço, em meio a folhetins antigos, na sala dos produtores.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna