Trama do filme Três Anúncios para um Crime inspira protestos da vida real

Trama do filme Três Anúncios para um Crime inspira protestos da vida real

 

Independente de qual filme vencer o Oscar 2018, “Três Anúncios para um Crime” já deixou sua marca na cultura pop, como o mais influente de todos os indicados. A cena principal do filme de Martin McDonagh, em que uma mãe revoltada com o assassinato da filha decide chamar atenção para a ineficácia da polícia, por meio de três outdoors com cobranças em fundo laranja chamativo, saiu do cinema para as ruas, virando uma nova forma de protesto.

Ativistas de Miami adotaram a abordagem do filme para, após o massacre de 17 estudantes numa escola da Flórida na semana passada, cobrar o senador do estado, Marco Rubio, por ser patrocinado pela indústria armamentista e não fazer nada no Congresso para impedir a proliferação de armas. A ideia partiu do Avaaz, um grupo ativista online.

Também na semana passada em Londres, três outdoors móveis levaram às ruas cobranças pela investigação do incêndio de moradias públicas que resultou em 71 mortos em setembro passado. A iniciativa foi do grupo Justice4Grenfell, descrito em sua página do Twitter como um grupo não oficial que exige uma investigação independente e acusações criminais na apuração do incêndio de Grenfell. Um internauta perguntou no Twitter se aquilo era campanha de um filme. “Não”, o grupo respondeu. “É para a nossa campanha – nada a ver com o filme, exceto por ser onde nos inspiramos”.

A tática dos três outdoors também foi usada início do mês em Bristol, na Inglaterra, num protesto por mais recursos para os Serviços Nacionais de Saúde.

Mesmo que perca o Oscar, “Três Cartazes para um Crime” já se tornou o título mais importante da temporada de premiações, ao deixar de ser apenas um filme, saindo das telas para a vida real.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna