Michael Haneke chama movimento #MeToo de “caça às bruxas” puritana e perigosa

Michael Haneke chama movimento #MeToo de “caça às bruxas” puritana e perigosa

 

Pouco mais de um mês após a atriz Catherine Deneuve e intelectuais francesas assinarem um manifesto publicado no jornal Le Monde defendendo o direito dos homens de “importunarem” e criticando o movimento #MeToo por restringir a liberdade sexual, o cineasta alemão Michael Haneke também resolveu manifestar seu descontentamento em relação ao conservadorismo que as denuncias supostamente representam, chamando a campanha de “caça às bruxas”.

Em uma entrevista publicada na sexta (9/2) pelo jornal austríaco Kurier, o diretor disse: “Este novo puritanismo matizado por um ódio aos homens, chegando nas pegadas do movimento #MeToo, me preocupa”.

O diretor que venceu o Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira por “Amor” acrescentou: “Como artistas, estamos começando a ter medo, porque enfrentamos essa cruzada contra qualquer forma de erotismo”.

Haneke acrescentou que ele acredita que os culpados de estupros ou abusos devem ser punidos, mas lamenta o julgamento da opinião pública. “Eu acho a histeria e as condenações sem qualquer julgamento totalmente nojentas”. Ele culpou a mídia pelas “vidas e carreiras assassinadas no processo” e condenou o movimento como “uma caça às bruxas”.

As observações do diretor refletem o manifesto publicado no Le Monde, que acerta altura afirma: “[#MeToo] levou a uma campanha de denúncias públicas e ataques de indivíduos na imprensa e nas redes sociais que, sem ter a oportunidade de responder ou se defender, são colocados no mesmo nível que os infratores sexuais”.

O manifesto francês foi atacado por feministas do país, que chamaram suas signatárias de “tias inconvenientes”.

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.