Atrizes marcam Globo de Ouro 2018 com discursos de empoderamento

Atrizes marcam Globo de Ouro 2018 com discursos de empoderamento

 

Oprah Winfrey pode ter, sem querer, lançado sua campanha para presidente dos EUA no Globo de Ouro 2018. Mas não foi a única a marcar a premiação com discurso contundente. Os tradicionais agradecimentos das atrizes vencedoras foram canalizados em plataformas de empoderamento, numa reação aos escândalos sexuais que sacudiram Hollywood nos últimos meses.

Vale ressaltar que os prêmios ecoaram esses tempos, destacando atrações de temática feminista, o que ajudou a reverberar suas mensagens com ainda mais força no palco do Hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, onde aconteceu a premiação na noite de domingo (7/1).

Veja abaixo os principais discursos das atrizes premiadas:

Nicole Kidman – Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV, por “Big Little Lies”

“Nós, e quando eu digo isso estou falando sobre Reese Whiterspoon e eu, fizemos isso por causa de nossa amizade, nossa união criativa e nosso apoio uma à outra. Eu te amo. E eu também queria dizer: Laura Dern, Shailene Woodley, Zoe Kravitz… Nós sentamos em uma mesa, prometemos fidelidade e compromisso umas às outras, então esse prêmio é nosso para compartilharmos. Uau! O poder das mulheres.

E minha mãe. Minha mãe era participante do movimento feminista quando eu estava crescendo e é por causa dela que eu estou aqui. Minhas conquistas são suas conquistas. E essa personagem que interpretei representa algo que é o centro da nossa conversa no momento: abuso. Eu acredito e espero que possamos, pelo menos, mudar as histórias que contamos e a forma como lhes dizemos. Vamos manter a conversa viva, vamos fazer isso”.

Laura Dern – Melhor Atriz Coadjuvante em Série, Minissérie ou Filme para TV, por “Big Little Lies”

“‘Big Little Lies’ me deu a oportunidade de interpretar a mulher mais escandalosa e complicada, uma mãe aterrorizada. Aterrorizada porque sua filha estava sendo abusada e intimidada, e tinha medo de falar. Muitas de nós fomos ensinadas a não denunciar os colegas. Uma cultura de silenciamento que foi normalizada. Eu peço que todos nós não somente apoiemos as vítimas que são corajosas o suficiente para dizer a verdade, mas também promovamos uma justiça reparativa. Que também possamos protegê-las e empregá-las. Que ensinar nossas crianças a falar sem ter medo da retaliação seja o novo norte da nossa cultura”.

Elizabeth Moss – Melhor Atriz em Série Dramática, por “The Handmaid’s Tale”

“Isto é de Margareth Atwood: ‘Nós fomos as pessoas que não estavam nos jornais. Vivemos nos espaços em branco nas bordas da impressão. Isso nos deu mais liberdade. Vivemos nas lacunas entre as histórias’. Margareth Atwood, isso é para você. E para todas as mulheres que vieram antes e depois de você, que eram corajosas o suficiente para falar contra a intolerância e a injustiça e lutar pela igualdade e liberdade neste mundo. Nós não vivemos mais nos espaços em branco na borda da impressão. Já não vivemos nas lacunas entre as histórias. Nós somos a história impressa e estamos escrevendo a história nós mesmas”.

Rachel Brosnahan – Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical, por “The Marvelous Mrs. Maisel”

‘Essa história é sobre uma mulher corajosa, brilhante e complicada. Estou infinitamente orgulhosa de fazer parte disso, mas há tantas outras histórias de mulheres por aí que merecem e precisam ser contadas. Então à medida que começamos um novo ano, vamos continuar a ser responsáveis por investir e propagar essas histórias”.

Frances McDormand – Melhor Atriz em Filme de Drama, por “Três Anúncios para um Crime”

“Como todos sabem, eu mantenho minha visão política privada. Mas foi muito bom estar neste sala nesta noite e ser parte da mudança tectônica na estrutura de poder da nossa indústria. Confiem em mim: as mulheres nesta sala não estão aqui pela comida. Estamos aqui pelo trabalho. Obrigada”.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna