Mais mulheres acusam o ator Robert Knepper de assédio e tentativa de estupro

Mais mulheres acusam o ator Robert Knepper de assédio e tentativa de estupro

 

Surgiram novas acusações de abuso sexual contra o ator Robert Knepper, astro das séries “Prison Break” e “iZombie”. Após o site The Hollywood Reporter publicar a denúncia da figurinista Susan Bertram (“Annabelle 2: A Criação do Mal”), que relatou uma tentativa de estupro durante as filmagens do drama indie “Sonhos Femininos” (Gas, Food Lodging), de 1992, quatro mulheres trouxeram à tona casos similares.

Em resposta a essa alegação inicial, Knepper publicou uma declaração no Instagram. “Estou chocado e devastado por ser falsamente acusado de violência contra uma mulher. Isso não é só quem eu sou”, ele afirmou.

A negação revoltou mulheres que se apresentaram como vítimas de ataques do ator. As novas acusações abrangem várias décadas e incluem incidentes que vão desde avanços sexuais indesejados até ataques violentos. A mais antiga data de 1983. A mais recente, de 2013. Todas as mulheres contataram o Hollywood Reporter por iniciativa própria, após lerem sobre a experiência de Susan Bertram.

Robin Saex Garbos foi atacada nos anos 1980, quando era assistente de uma produção teatral. Na época, o ainda jovem Knepper aproveitou, ao ficar a sós com ela no escritório da produção, para empurrá-la contra a parede e começar a beijá-la. Ao empurrá-lo com todas as forças, ele foi embora e não ficou com o papel que queria na peça. “Tudo foi errado, mas na época não se conhecia o termo ‘assédio sexual’, ela contou ela. “Ele não existia até Anita Hill”, disse, citando a procuradora que acusou um juíz de assédio em 1991, gerando conscientização sobre o tema.

Outra acusadora pediu para manter seu nome anônimo, já que está casada com um ator famoso da TV e gostaria de proteger sua família. Ela também era assistente de produção de uma peça em 1989, e uma de suas funções era ajudar integrantes do elenco a se instalarem no alojamento universitário de um campus vizinho, que tinha um acordo com a casa de teatro para acomodar atores que vinham de outras cidades. Quando ela foi ajudar a mudança de Knepper, ele a pegou por trás e a empurrou contra a parede, beijando-a e agarrando com força sua virilha.

“Eu estava realmente esmagada contra a parede”, ela relatou. “Foi chocante. Sua língua estava na minha garganta. Você não sabe o que fazer. Eu tinha conhecido aquela pessoa mal fazia cinco minutos”.

Ela contou ter encontrado forças para se livrar e fugir rapidamente. Mas não contou nada a ninguém sobre o que aconteceu, buscando apenas ficar o mais longe possível de Knepper durante a montagem da peça. Só encontrou coragem de denunciá-lo agora, com raiva após o ator ter negado a história de Bertram, tão parecida com a dela. “Quando vi sua negação, isso me deixou realmente louca”, disse ela.

Emma Julia Jacobs trabalhava como estilista no departamento de maquiagem e efeitos especiais de “King Kong” em 2010, e estava acomodada no mesmo hotel que o elenco e integrantes da equipe. Numa noite, ao voltar de compras, encontrou Knepper no elevador. Ele iniciou uma conversa desconfortável e a seguiu até a porta do quarto dela. Ela parou diante de seu quarto, esperando que ele terminasse o assunto e fosse embora. Em vez disso, ele teria dito: “Você não vai abrir a porta?”.

A história dela é a mais longa. Envolve um copo d’água, um conversa sobre comida, uma saída para jantar e uma nova volta para o hotel. Ela achava que ele estava hospedado no mesmo andar, porque voltou a segui-la. Até ela chegar a sua porta. Quando abriu o quarto, sentiu um empurrão, caiu no chão e viu a porta ser fechada às suas costas. Knepper teria ficado em cima dela, rasgado o zíper de suas calças e falado que ia comê-la. Jacobs relatou ter gritado “Não!” várias vezes, esperando que alguém pudesse ajudá-la. Knepper a sufocou para que parasse. Ela então se curvou inteira para impedir que ele abrisse suas pernas. Como ele não conseguiu estuprá-la, baixou as calças e começou a se masturbar.

Jacobs não informou o incidente à polícia. Nem contou a ninguém da produção, mas relatou a violência que sofreu a um amigo, que confirmou o fato ao Hollywood Reporter.

A diretora e roteirista de filmes B Christy Oldham (“Barracuda”) encontrou Knepper durante a première de um filme que ele tinha estrelado em 2013. Após engatarem uma conversa, o ator a convidou para jantar e eles conversaram sobre realizar um filmes juntos. Então, durante a conversa, ela diz que Knepper pegou sua mão e a colocou em sua ereção.

Oldham diz que ficou perturbada e incomodada, mas decidiu desarmá-lo com humor, dizendo “O meu é maior”. Knepper teria retrucado que, embora tivesse recém-casado, “gostaria de me comer”. Ela continuou brincando. “Junte-se ao clube”, retrucou.

Eles riram. Na saída, Knepper a empurrou contra uma parede de tijolos e ameaçou. “Eu te comeria aqui mesmo se não estivesse casado”, teria dito, segurando-a firmemente. Foi quando a diretora perdeu a graça e ficou realmente assustada.

Ela contou a história para a amiga com quem tinha ido à première. A produtora Clinton Wallace confirmou o relato para o Hollywood Reporter.

O site tentou falar com Knepper, que se negou a atender a reportagem. Em vez disso, ele emitiu um comunicado.

“Nós chegamos a um momento em que carreiras construídas com trabalho duro estão sendo perdidas com base em acusações. Preciso reiterar que essas acusações contra mim são falsas. Perdemos a presunção de inocência, perdemos o “processo devido” e perdemos a capacidade de requisitar evidências, permitindo que a mídia se torne “juiz e júri”. Até que eu possa me sentar e dialogar com os meus acusadores, não por meio da imprensa, mas por um mediador imparcial, não tenho mais nada a dizer sobre este assunto. Minha esposa, família e amigos íntimos me conhecem e a minha verdadeira natureza e seu grato por seu amor e apoio”.

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.