Filme de Tarantino sobre Charles Manson vai estrear no aniversário dos 50 anos da morte de Sharon Tate

Filme de Tarantino sobre Charles Manson vai estrear no aniversário dos 50 anos da morte de Sharon Tate

 

A Sony marcou a data de estreia do próximo filme de Quentin Tarantino, o primeiro que irá distribuir. E não é uma data qualquer. O longa-metragem, que se passará em 1969 e terá como pano de fundo os assassinatos cometidos pelos seguidores de Charles Manson, será lançado em 9 de agosto de 2019. O dia marca os 50 anos da morte brutal da atriz Sharon Tate, mulher do diretor Roman Polanski, que foi assassinada de forma sádica pela “Família” de Manson em seu oitavo mês de gravidez.

Charles Manson ficou preso de 1971 a novembro de 2017, quando morreu de causas naturais, aos 83 anos de idade. Seus cúmplices continuam até hoje na cadeia, com raras exceções.

Conhecido apenas como “IX”, já que será o nono filme dirigido por Tarantino e ainda não ganhou título oficial, o longa terá produção de Tarantino e David Heyman, produtor da franquia “Harry Potter” e “Animais Fantásticos”. Pela primeira vez, o diretor não trabalhará com o produtor Harvey Weinstein, com quem rompeu após as inúmeras acusações de assédio e abuso sexual.

O orçamento não será barato, já que o cineasta quer dirigir um elenco classe A. A lista inclui Leonardo DiCaprio, com quem ele já trabalhou em “Django Livre” (2012), e Brad Pitt, protagonista de “Bastardos Inglórios” (2009), mas não pára nisso: Tom Cruise também estaria sendo considerado.

Para completar, Jennifer Lawrence e Margot Robbie são as favoritas para os papéis femininos.

Não existem maiores informações sobre que papéis este elenco dos sonhos desempenharia, embora fontes afirmem que Margot Robbie viveria Sharon Tate. Segundo o site Deadline, não há tantos personagens principais na trama, o que significa que, se todos concordassem, Tarantino teria que deixar alguém de fora.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna