Tarantino quer juntar Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Tom Cruise em seu novo filme

Tarantino quer juntar Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Tom Cruise em seu novo filme

 

O diretor Quentin Tarantino fechou parceria com o produtor David Heyman para ajudá-lo a produzir seu próximo filme, ainda sem título. Será o primeiro lançamento do cineasta sem produção de Harvey Weinstein desde o começo de sua carreira, e o primeiro que ele coproduzirá desde “À Prova de Morte”, lançado há 10 anos.

Tarantino decidiu romper com a produtora The Weinstein Company após as inúmeras acusações de assédio e abuso sexual contra seu proprietário, mas não faltam interessados em distribuir seu novo longa, que se passará em 1969 e terá como pano de fundo os assassinatos cometidos pelos seguidores de Charles Manson.

Heyman tem relação estreita com a Warner, para quem produziu os filmes de “Harry Potter”, e o estúdio quer tanto trabalhar com Tarantino que chegou a preparar uma recepção especial para o diretor, com decoração temática dos anos 1960, durante sua visita para conversar sobre o filme. Mas Sony e Paramount também estão jogando dinheiro na mesa para negociar a produção.

O orçamento não será barato, já que o cineasta quer dirigir um elenco classe A. A lista inclui Leonardo DiCaprio, com quem ele já trabalhou em “Django Livre” (2012), e Brad Pitt, protagonista de “Bastardos Inglórios” (2009), mas não pára nisso: Tom Cruise também estaria sendo considerado.

Para completar, Jennifer Lawrence e Margot Robbie são as favoritas para os papéis femininos.

Não existem maiores informações sobre que papéis este elenco dos sonhos desempenharia, mas, segundo o site Deadline, não há tantos personagens principais na trama, o que significa que, se todos concordassem, Tarantino teria que deixar alguém de fora.

A decisão sobre qual estúdio pagará os salários dos grandes astros cogitados deve ser tomada até o feriadão da próxima quinta-feira, 23 de novembro, quando é celebrado Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna