Estúdio de Lars von Trier é investigado pela polícia dinamarquesa após denúncias de assédio sexual

Estúdio de Lars von Trier é investigado pela polícia dinamarquesa após denúncias de assédio sexual

 

A polícia da Dinamarca abriu investigações sobre o Zentropa, maior estúdio de cinema do país, fundado pelo diretor Lars von Trier, responsável por obras como “Ninfomaníaca” (2013), “Melancolia” (2011) e “Anticristo” (2009). Segundo o jornal local Politiken, nove ex-funcionárias denunciaram o estúdio por conta do ambiente tóxico e “impregnado” por uma cultura abusiva de assédio sexual.

“Acho que todos os contratados do Zentropa já foram expostos ou testemunharam condutas sexuais e provocações. Era parte da cultura de lá”, afirmou Meta Louise Foldager Sørensen, uma ex-produtora do estúdio.

Entrevistadas pelo jornal dinamarquês, as ex-funcionárias revelaram que pediram demissão por não aguentarem se submeter ao assédio sexual e bullying diários. Elas também apontaram Peter Aalbaek Jensen, ex-CEO do estúdio, como um dos principais assediadores.

De acordo com as vítimas, Jensen teria segurado no seio das funcionárias e até pedido para que elas ajoelhassem e fossem “espancadas”.

As vítimas favoritas eram as estagiárias mais jovens, a quem ele adorava humilhar em festas de fim de ano da firma.

“Vi muitas mulheres serem diminuídas”, declarou a escritora Anna Mette Lundtofte. “Segundo o slogan do Zentropa, eu fazia parte de uma ‘cultura alternativa de trabalho’, mas na realidade o que encontrei foi uma estrutura patriarcal e defasada.”

Peter Aalbæk Jensen, CEO do Zentropa até 2016, detém 25% da empresa junto a Von Trier. Em sua defesa, ele disse que não se lembra de nenhum destes episódios, mas afirmou que eles “provavelmente aconteceram”. Ele também negou que o estúdio tenha uma cultura abusiva.

“Estou interessado em testar limites”, justificou ele. “Não em submissão e degradação. Sei que houve momentos em que fui longe demais. E eu aceito isso. A questão é se você é um líder adorado ou não. E eu não fui um líder adorado.”

O atual CEO do estúdio, Anders Kjaerhauge, defendeu a empresa e alegou que “esse não é o Zentropa que eu conheço”, mas não descartou mudanças no ambiente de trabalho.

Já o diretor Lars Von Trier não se manifestou. Ele foi acusado de assédio pela cantora islandesa Björk, durante as filmagens de “Dançando no Escuro”, mas não é alvo da investigação sobre o estúdio.

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.