Taylor Swift vira ciborgue no impressionante clipe sci-fi de …Ready For It

Taylor Swift vira ciborgue no impressionante clipe sci-fi de …Ready For It

 

Taylor Swift vira ciborgue em “…Ready For It?”, novo clipe impressionante dirigido por Joseph Kahn, que desde “Bad Blood” transforma os vídeos da cantora num catálogo de efeitos visuais. Fortemente influenciada pelo filme “A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell”, o vídeo traz Taylor num corpo cibernético de design similar ao aspecto digital de Scarlett Johansson na produção cinematográfica lançada neste ano, além de fazer referências a animes e produções sci-fis – como “Ex-Machina”, “Blade Runner”, “Tron” e a recente série “Star Trek: Discovery”.

Em meio às referências e efeitos cinematográficas, o clipe também alude à própria trajetória de Taylor. Mas não se trata de auto-citações explícitas, como em “Look What You Made Me Do”. Há, por exemplo, os números “89” e “91” grafitados, aludindo ao disco “1989”, que também é o ano de nascimento da cantora. Seu atual namorado, o Joe Alwyn, nasceu em 1991 (“Younger than my exes but he act like such a man, so…”).

Até o nome “Joseph” aparece, escrito em chinês – numa alusão ao diretor ou a Alwyn. Assim como referências ao Ano da Serpente, que no calendário chinês também caiu em 1989. E os oito ex-namorados são contados como os guardas encapuzados do bunker onde a Taylor cibernética está presa.

O número favorito de Swift, “13”, é outro detalhe rabiscado nas paredes do bunker, ao lado de algumas frases, como “UR Gorgeous”, “All Eyes On Us”, “I Love You In Secret” e “This Is Enough”. A primeira remete ao single “Gorgeous”, que a cantora lançou na semana passada, o que pode significar que as demais sejam músicas de seu novo disco, “Reputation”.

Há ainda um cavalo branco, que evoca a música “White Horse”, e muitos raios, reminiscentes do clipe de “This Is What You Came For”, música do então namorado Calvin Harris que ela secretamente compôs sob o pseudônimo Nils Sjöbot – nome que Joseph Kahn twittou antes da estreia do clipe.

Esse arsenal de referências serve para transmitir uma mensagem difusa, em que a Taylor ciborgue, presa num campo de força, vira analogia para a forma como a fama desumaniza as pessoa. O campo de força, por sua vez, remete a uma expressão em inglês, “colocar pessoas em caixas”, que significa rotular. Deste modo, o tema sci-fi expressa o tema do álbum, em que Taylor pretende abordar e se desvencilhar de sua reputação, quebrando a caixinha em que foi colocada – ou o campo de força – para destruir a imagem pública – ou desumanizada – de si mesma.

Seja como for, o modo como ela mantém seus fãs entretidos, tentando adivinhar significados mais profundos em seus vídeos não tem paralelos na música pop.

Seu sexto álbum de estúdio, “Reputation”, será lançado em 10 de novembro.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna