Segundo episódio de The Good Doctor tem audiência maior que a estreia

Segundo episódio de The Good Doctor tem audiência maior que a estreia

 

O público americano parece ter gostado muito da série “The Good Doctor”, novo drama médico de David Shore (o criador de “House”), em que Freddie Highmore (o Norman Bates da série “Bates Motel”) interpreta um médico com autismo.

Após o primeiro episódio ser assistido por 11,2 milhões de telespectadores, o segundo registrou uma audiência ainda maior, 11,49 milhões e 2,4 pontos na demo (a faixa demográfica de adultos entre 18 e 49 anos, mais relevante para os anunciantes).

Isto aponta uma vitória estrondosa para a rede ABC, que não tinha um programa tão visto em sua programação, nas noites de segundas, desde “Dangerous Minds”… em 1996! Ou seja, trata-se de uma audiência não experimentada pelo canal em 21 anos.

O protagonista de “The Good Doctor” lembra uma espécie de versão jovem do Dr. House: um homem anti-social que é terrível na hora de interagir com as pessoas, mas também honesto e direto. Ele sobreviveu a uma infância complicada e se tornou um médico talentoso. Incapaz de acessar emoções, mas brilhante e intuitivo quando o assunto é Medicina, o médico conta com a ajuda de seu mentor e amigo, Dr. Ira Glassman (Richard Schiff, de “O Homem de Aço”), que apoia sua contratação com determinação, apesar dos problemas vistos pelos demais.

O elenco também inclui Beau Garrett (série “Criminal Minds: Suspect Behavior”), Nicholas Gonzalez (série “Pretty Little Liars”), Hill Harper (série “Covert Affairs”), Antonia Thomas (série “Misfits”) e Irene Keng (série “Grey’s Anatomy”).

O piloto foi dirigido pelo cineasta Seth Gordon (de “Quero Matar Meu Chefe” e “Baywatch”) enquanto o segundo ficou a cargo de um veterano da TV, Mike Listo (séries “Boston Legal”, “Satisfaction” e “Nashville”).

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna