Pantera Negra ganha novo trailer com visual futurista e hip-hop furioso

Pantera Negra ganha novo trailer com visual futurista e hip-hop furioso

 

A Marvel divulgou um novo pôster e o segundo trailer legendado de “Pantera Negra”. A prévia é repleta de ação e efeitos visuais, com ênfase para o visual futurista de Wakanda, a nação africana liderada pelo herói do título (Chadwick Boseman), que equilibra avanços tecnológicos com tradição tribal – com direito a uma guarda de amazonas negras. E há também a formação da aliança entre o vilão Ulysses Klaue (Andy Serkis, repetindo seu papel de “Capitão América: Guerra Civil”) e Erik Killmonger (Michel B. Jordan, de “Creed”).

Tudo isso pulsando com batidas furiosas de hip-hop, num mash-up impressionante de “BagBak”, novo rap de Vince Staples, com o clássico “The Television Will Not Be Televised”, de Gil Scott Heron, lançado em 1970, durante a era dos verdadeiros Panteras Negras.

Segundo a sinopse oficial divulgada, “Pantera Negra” encontra T’Challa (Boseman) imediatamente após os eventos de “Capitão América: Guerra Civil” (2016), em sua volta para a isolada e tecnologicamente desenvolvida nação africana de Wakanda para assumir seu lugar como Rei. Entretanto, quando um velho inimigo reaparece no radar, a fibra de T’Challa como Rei e Pantera Negra é testada, e ele é levado a um conflito que coloca o destino de Wakanda e do mundo todo em risco.

“Pantera Negra” tem direção de Ryan Coogler (“Creed”) e também inclui em seu elenco Lupita Nyong’o (“12 Anos de Escravidão”), Forest Whitaker (“Busca Implacável 3”), Angela Bassett (“Invasão a Londres”), Sterling K. Brown (minissérie “The People v O.J. Simpson – American Crime Story”), Danai Gurira (série “The Walking Dead”) e Daniel Kaluuya (“Corra!”), além de Martin Freeman e Florence Kasumba, que também reprisam seus papéis de “Capitão América: Guerra Civil” (2016).

A estreia está marcada para 15 de fevereiro no Brasil, um dia antes do lançamento nos Estados Unidos.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna