Novo filme de Denzel Washington foi reeditado pelo próprio ator

Novo filme de Denzel Washington foi reeditado pelo próprio ator

 

O diretor Dan Gilroy revelou ter reeditado o suspense dramático “Roman J. Israel, Esq” com o auxílio do ator Denzel Washington, após o filme ser exibido no Festival de Toronto e dividir a opinião da crítica. A nova versão tem arrancado críticas entusiasmadas, em franco contraste às opiniões anteriores.

Em entrevista ao site Deadline, Gilroy confirmou que diretores realmente não gostam de trazer atores para participar do trabalho de montagem final, mas a exibição em Toronto, que também foi primeira vez que ele viu o filme projetado, demonstrou que a performance de Washington era tão boa que merecia ancorar melhor a produção. Além disso, Washington é também um diretor de cinema.

“Denzel trouxe tanto para a sala de edição”, disse Gilroy. “Ele dirigiu três filmes e estrelou o quê… mais de 40 filmes? Ele tem instintos incríveis e é muito objetivo para tirar o máximo de opiniões externas como as que recebemos em Toronto. Muitos atores só se concentram em seu próprio personagem, por isso a ideia de ter um ator na sala de edição costuma ser um problema, mas, com Denzel, eu ficava ansioso por sua chegada. Nós dois trabalhamos muito de perto na edição, junto com o irmão John (o editor John Gilroy), e ele foi um recurso inestimável em todos os níveis”.

Ao todo, foram cortados 12 minutos da duração da história, a trilha sonora sofreu intervenção e cenas tiveram sua ordem alterada para ampliar ou redefinir o dilema do protagonista. Denzel foi o responsável por mudar as músicas que o personagem ouve no filme – jazz e soul clássicos. E Gilroy usou as músicas para reorientar o drama interno de seu personagem.

“Cortamos gordura até o músculo. Percebemos que o personagem de Denzel era tão forte que podíamos focar mais no enredo em torno dele. Você nunca o viu vulnerável assim. É uma transformação importante, fisicamente e emocionalmente. Observando a reação do público, percebemos que, além de seu caráter, havia uma história que funcionaria melhor se fosse enxugada e reorientada”.

Este tipo de mudança após a exibição num festival não é muito comum, mas costuma dar certo. Neste ano, o filme “Terra Selvagem”, de Taylor Sheridan, cortou cerca de quatro minutos após sua première no Festival de Sundance. E ao exibir a nova versão em Cannes, Sheridan foi premiado com o Melhor Diretor na seção Um Certo Olhar.

“Roman J. Israel, Esq.” é segundo suspense dramático de Dan Gilroy, após sua estreia na direção com o excelente “O Abutre” (2014). Roteirista experiente (autor de “Gigantes de Aço”, “O Legado Bourne” e “Kong: Ilha da Caveira”), Gilroy subverte expectativas na trama, que se insinua como um típico drama urbano, em que o protagonista é um advogado veterano que ninguém respeita. Líder de protestos na juventude, Roman J. Israel virou um sujeito antiquado e acaba demitido. Mas não há uma reviravolta edificante que conduza à sua recuperação. Diante da falta de opções, ele usa uma informação privilegiada, sobre o paradeiro de uma fortuna ilegal, para mudar de vida. Só que a falcatrua desperta a desconfiança do chefe da quadrilha, que passa a ameaçá-lo e colocar sua vida em risco.

O elenco também inclui Colin Farrell (“Animais Fantásticos e Onde Encontrá-los”), Shelley Hennig (série “Teen Wolf”), Carmen Ejogo (“Alien: Covenant”), Nazneen Contractor (série “Heroes: Reborn”), Tony Plana (série “Ugly Betty”) e Niles Fitch (série “This Is Us”).

A estreia está marcada para o dia 3 de novembro nos Estados Unidos e ainda não há previsão de lançamento no Brasil.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna