Mostra de São Paulo traz realmente o melhor do cinema mundial em 2017

Mostra de São Paulo traz realmente o melhor do cinema mundial em 2017

 

A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que abre com a exibição para convidados de “Human Flow”, de Ai Weiwei, nesta quarta (18/10), promete ser bastante diversa do evento do ano passado. A partir de quinta, o festival concentrará nos cinemas paulistanos o melhor do cinema mundial atual, incluindo o filme que conquistou a Palma de Ouro do Festival de Cannes, “The Square”, de Ruben Östlund, o vencedor do Festival de Toronto, “Três Anúncios Para um Crime”, de Martin McDonagh, a obra premiada com o troféu de Melhor Direção do Festival de Berlim, “O Outro Lado da Esperança”, de Aki Kaurismaki, o novo drama de Michael Haneke, “Happy End”, e muito, muito mais.

A força da seleção demonstra que o evento virou a página de sua crise financeira e criativa, após uma edição de 2016 que privilegiava mais retrospectivas que obras de referência do cinema atual. A diferença é tanta que, ao contrário do Festival do Rio, que diminuiu sua seleção como reflexo da crise econômica, a Mostra ampliou a quantidade de títulos exibidos, programando quase 400 filmes.

Também diferente da opção carioca, o evento paulista não buscou enfatizar o cinema autoral mais óbvio – e comercial – , deixando Hollywood de lado para se focar num cinema, como diz sua denominação, internacional. Por isso, traz nada menos que 13 títulos que disputam vagas no Oscar de Melhor Filme de Língua Estrangeira: o argentino “Zama”, o sul-coreano “O Motorista de Táxi”, “Scary Mother” da Geórgia, o iraniano “Respiro”, o irlandês “Granito”, o islandês “A Sombra da Árvore”, o neozelandês “Mil Cordas”, o tcheco “Mães no Gelo”, o russo “Loveless”, o suíço “Mulheres Divinas”, o venezuelano “El Inca”, além do sueco “The Square” e o austríaco “Happy End”, já citados.

Isto não significa que o cinema americano foi ignorado. Mas há mais ousadia. Basta verificar a grande quantidade de filmes sem distribuição assegurada no país em sua seleção, que, ao contrário do que houve com a lista do Festival do Rio, não foi precedida por diversos releases de distribuidoras informando que a maioria estará em breve nos cinemas. Para o cinéfilo, isto é a chave do paraíso.

Em comum com o Festival do Rio, e reflexo de uma tendência mundial, há uma forte presença de cineastas femininas na seleção. Do total dos 394 títulos, 98 são dirigidos por mulheres, sendo 18 de brasileiras.

Um dos filmes que tende a gerar as maiores filas, por seu perfil absolutamente cult, é sobre e de uma mulher: “Nico, 1988”, de Susanna Nicchiarelli, cinebiografia da modelo, atriz e cantora da banda Velvet Underground, que venceu a seção Horizontes do Festival de Veneza.

Este ano, o cartaz da Mostrafoi assinado pelo artista plástico chinês Ai Weiwei, que também é diretor do filme de abertura, será aberta com a projeção de “Human Flow”, documentário sobre a crise mundial dos refugiados. Apesar dos problemas de embarque para o Brasil, ele é esperado ao longo do evento, assim como os outros homenageados: a cineasta belga Agnès Varda (“As Duas Faces da Felicidade”), que vai receber o Prêmio Humanidade e ganhará uma retrospectiva de onze longas, o diretor italiano Paul Vecchiali (“O Estrangeiro”), que também ganha retrospectiva e vem ao festival para receber o Prêmio Leon Cakoff, e o ator Paulo José (“Quincas Berro d’Água”), que será homenageado com documentários sobre sua trajetória e também receberá o troféu que leva o nome do criador da Mostra.

Sim, as retrospectivas não sumiram. Apenas não engoliram a programação como no ano passado.

Haverá também uma retrospectiva do cinema suíço, pouquíssimo conhecido no Brasil, com destaque para a obra do diretor Alain Tanner (“Jonas Que Terá Vinte e Cinco Anos no Ano 2000”), e exibições especiais, como uma projeção da obra-prima do cinema mudo “O Homem Mosca” (1923), grande sucesso de Harold Lloyd, ao ar livre no parque do Ibirapuera, e de clássicos do cinema brasileiro no vão livre do MASP, na Avenida Paulista.

A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo acontece entre os dias 19 de outubro e 1 de novembro, e a lista completa dos filmes, horários e locais de exibição podem ser conferidos no site oficial do evento.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna