Mike Myers entra no elenco do filme sobre a banda Queen

Mike Myers entra no elenco do filme sobre a banda Queen

 

O ator Mike Myers vai voltar a aparecer num filme, uma década após o fracasso de sua última comédia, “O Guru do Amor” (2008). Ele se juntou ao elenco de “Bohemian Rhapsody”, cinebiografia da banda Queen e de seu vocalista, Freddie Mercury.

Ainda não há informações sobre qual será o papel do ator, que, curiosamente, tem uma relação cinematográfica com a música do Queen que nomeia a produção. A cena mais famosa da comédia “Quanto Idiota Melhor” (1992) trazia Myers e elenco cantando e batendo cabeças ao som de “Bohemian Rhapsody” num carrinho compacto. Relembre no vídeo abaixo.

Um dos mais bem-sucedidos comediantes a sair do humorístico “Saturday Night Live” nos anos 1990, graças ao sucesso da franquia “Austin Powers”, Myers sumiu dos cinemas após o fiasco de “O Guru do Amor”, tendo aparecido apenas num pequeno papel de “Bastardos Inglórios” (2009) desde então. Mesmo assim, sua voz continuou sendo ouvida em desenhos da franquia “Shrek”, onde ele dubla o personagem-título.

“Bohemian Rhapsody” traz Rami Malek (série “Mr. Robot”) como o cantor Freddie Mercury, Gwilym Lee (série “Midsomer Murders”) como o guitarrista Brian May, Joe Mazzello (minissérie “The Pacific”) no papel do baterista Roger Taylor e Ben Hardy (o Anjo de “X-Men: Apocalipse”) vivendo o baixista John Deacon.

A direção é de Bryan Singer (“X-Men”), o roteiro foi escrito por Justin Haythe ( “A Cura” e “O Cavaleiro Solitário”) e a produção executiva está a cargo de Brian May e Roger Taylor. Devido ao controle dos músicos, o filme não abordará as passagens mais sombrias e controvertidas da vida de Freddie Mercury. Não se sabe, por exemplo, como será tratada a homossexualidade do cantor, que oficialmente nunca saiu do armário, a menos que se conte, por ironia, a letra de “Bohemian Rhapsody”.

A previsão de estreia é para o Natal de 2018.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna