Taylor Swift vira zumbi, supervilã e enterra sua reputação em clipe superproduzido

Taylor Swift vira zumbi, supervilã e enterra sua reputação em clipe superproduzido

 

Taylor Swift lançou seu novo clipe, “Look What You Made Me Do”, durante o Video Music Awards 2017, e imediatamente virou trending topic. Superprodução, o clipe mostra a cantora como diversas personagens, muitas vezes interagindo consigo mesma de forma autorreferencial.

Ela começa como zumbi, saindo do túmulo em que foi enterrada sua reputação, com o mesmo vestido do último clipe do ano passado, “Out of the Woods”, mas logo vira supervilã de quadrinhos, com direito a chá servido por cobras – referência a um emoji que Taylor conhece muito bem, graças a Kim Kardashian. Há também um banho de jóias preciosas, em que se destaca uma nota comum de um dólar – recentemente, ela ganhou o valor (simbólico) na justiça, num caso contra o DJ David Mueller. Ela também finge apontar uma arma nesse momento, que seria uma referência ao roubo das jóias de Kardashian em Paris.

Alimentando outra rixa, bem mais produtiva (a carreira de ambas lucra com isso), surge em seguida num carro parecidíssimo ao que Katy Perry dirigiu no clipe “Waking Up in Vegas” – e segurando um prêmio Grammy, que Katy nunca venceu – , antes de assaltar um banco batizado de Streaming Co – referência às suas críticas aos rendimentos que os serviços de streaming pagam aos artistas. Mais referências: pessoas que parecem manequins, como seu “esquadrão” de supostos amigos falsos (bonitos e produzidos demais para serem de verdade), e camisetas com coraçãozinho e suas iniciais, como a usada pelo ator Tom Hiddleston durante seu namoro.

Os efeitos visuais são deslumbrantes, mas se superam na sequência em que uma multidão de Taylors se amontoa, tentando subir no topo de uma montanha humana, que ela própria domina. Quando a música termina, o clone clube de Taylor discute entre si, e o curioso é que algumas delas vêm de outros vídeos, como a Taylor country de violão e outras versões “pobrezinhas” de músicas de coração partido, que a nova Taylor reprime. Mas talvez a mais significativa seja a Taylor com o Astronauta Prateado nas mãos, lembrando sua vitória no VMA de 2009 e também o início de sua rixa com Kanye West.

Entre as frases ditas, há mais citações: às críticas que dizem que sua cara de surpresa ao ganhar prêmios são falsas, à reclamação de que ela sempre se faz de vítima nas confusões em que se mete, ao rótulo de vadia que ganhou na canção “Famous”, de Kanye, e diversas declarações dadas ao longo da carreira.

Quem orquestra este coral de intertextos é um mestre, o diretor Joseph Kahn, um dos mais premiados realizadores de videoclipes deste século, responsável pelo melhor vídeo anterior de Taylor, “Bad Blood” – e muitos outros.

Com uma levada de hip-hop que não costumava existir em seu repertório, “Look What You Made Me Do” é daqueles clipes para ver, rever e encontrar cada vez mais camadas de informação. E, ainda por cima, diverte e faz o corpo balançar.

Quem orquestra este coral de intertextos é um mestre, o diretor Joseph Kahn, um dos mais premiados realizadores de videoclipes deste século, responsável pelo melhor vídeo anterior de Taylor, “Bad Blood” – e muitos outros.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna