American Crime Story vai destacar homofobia como causa da morte de Versace

American Crime Story vai destacar homofobia como causa da morte de Versace

 

O produtor Ryan Murphy adiantou muitos detalhes da 2ª temporada de “American Crime Story”, durante o evento semestral da TCA (Associação dos Críticos de TV dos EUA), fazendo questão de diferenciar a nova trama, que foi batizada de “The Assassination of Gianni Versace”, da história premiadíssima de “The People v. O.J. Simpson”.

Murphy destacou que a palavra “assassinato” é importante no título, por isso a produção não adotou o nome “American Crime Story: Versace”, como estava sendo chamada. O primeiro episódio já vai mostrar o assassinato do estilista italiano, para depois contar sua história em flashbacks.

Ele ainda salientou que se a temporada passada lidou com racismo, a nova irá falar sobre homofobia: “Estamos falando de um crime dentro de uma ideia social. Versace, que foi a última vítima de Andrew Cunanan, não devia ter morrido. Um dos motivos que fizeram Cunanan atravessar o país fazendo vítimas, em sua maioria homens gays, foi a homofobia da época”. Em outras palavras (de tom acusatório), a polícia não teria se empenhado tanto para detê-lo porque as vítimas eram homossexuais.

O assassinato aconteceu em 1997, na Flórida, e a série pretende mostrar como envolveu uma série de erros e acontecimentos estranhos. Murphy lembrou, por exemplo, que o assassino já estava na lista dos mais procurados do FBI e pistas apontavam que ele estava e Miami. Porém, mesmo assim, a polícia local se recusou a fazer barreiras, checagens ou sequer colocar cartazes de “procurado”.

Por isso, Murphy declarou que “a temporada será mais sobre as coisas que permitiram que este crime acontecesse, mais do que sobre o crime em si”, prometendo denunciar a homofobia da polícia americana.

Na época, o assassinato ganhou grande repercussão mundial, tanto pela importância cultural de Versace como por ter sido um crime de ódio ostensivo contra gays.

A série trará o venezuelano Edgar Ramirez (“A Garota no Trem”) no papel de Versace, o americano Darren Criss (série “Glee”) como Cunanan, a espanhola Penélope Cruz (“Zoolander 2”) como Donatella Versace e o cantor porto-riquenho Ricky Martin como Antonio D’Amico, o parceiro de vida de Versace. “Foi um crime que envolveu muita injustiça. Este é um papel de conscientização, eu não podia dizer não”, disse Martin, na coletiva da TCA.

“The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story” deve estrear em janeiro, após ganhar prioridade sobre uma trama envolvendo a tragédia do furacão Katrina.

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.