Amazon vai lançar anti-Confederate, uma série sobre um país imaginário construído por ex-escravos

Amazon vai lançar anti-Confederate, uma série sobre um país imaginário construído por ex-escravos

 

Enquanto o projeto da série da HBO “Confederate”, dos criadores de “Game of Thrones”, recebe críticas de todos os lados, por se propor a contar uma trama de História alternativa em que o Sul venceu a Guerra Civil americana e não houve abolição da escravatura, a Amazon anuncia uma produção que se propõe a mostrar praticamente o oposto.

O projeto se chamará “Black America” e mostrará uma realidade alternativa em que, após a Guerra Civil, os estados sulistas são entregues aos ex-escravos para que construam sua própria nação. Eles então criam um país chamada New Colonia, que nutre uma relação ocasionalmente problemática com os Estados Unidos, país vizinho. Após 150 anos de “exercícios militares, assassinatos, golpes e mudança de regimes”, New Colonia torna-se uma das maiores nações industrializadas do mundo, enquanto os Estados Unidos entra em rápido declínio. Relacionadas desde sempre, o destino das duas nações é colocado em risco.

A série foi desenvolvida pelo produtor William Packer (“Straight Outta Compton”) e o roteirista Aaron McGruder (criador de “The Boondocks”).

Apesar do timing do anúncio, o site Deadline já vinha mencionando desde fevereiro que Packer e McGruder estavam trabalhando numa série de história alternativa, ao estilo de “The Man in the Hight Castle”.

Em entrevista ao próprio Deadline, Packer confirmou que, por mais que a revelação da controversa série da HBO tenha adiantado os planos de “Black America”, seu projeto já estava em desenvolvimento há certo tempo. “Agora pareceu a hora certa para garantir ao público e à comunidade criativa que existe um projeto e que já estamos avançados no desenvolvimento.”

Ainda não há previsão para a estreia de “Black America”, que será lançado pelo serviço de streaming Amazon Prime Video.

Mas vale lembrar que, na vida real, ex-escravos dos Estados Unidos construíram mesmo um país. Eles migraram para a África e criaram a Libéria (do latim, “terra livre”), cujo nome remete à conquista da sua liberdade. Mesmo se inspirando na constituição e democracia americanas, a Libéria não virou umas maiores nações industrializadas do mundo, como na ficção da Amazon. Muito antes pelo contrário. Apesar de ter recebido grande investimento dos Estados Unidos, permanece um dos países mais miseráveis da África, imerso em guerras civis.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna