Ryan Reynolds pode estrelar adaptação da franquia de games Rainbow Six

Ryan Reynolds pode estrelar adaptação da franquia de games Rainbow Six

 

O ator Ryan Reynolds (“Deadpool”) está sendo cotado para protagonizar um filme baseado na franquia de games “Rainbow Six”. Segundo o site Deadline, o roteirista-produtor Akiva Goldsman fechou um acordo de dois anos com a Paramount e, entre seus projetos, está uma adaptação da obra, inspirada no livro homônimo de espionagem do escritor Tom Clancy (criador do herói-espião Jack Ryan) e nos jogos desenvolvidas pela Red Storm Entertainment, verdadeira febre dos e-sports.

Caso as negociações prossigam, Reynolds pode viver John Clark, um ex-agente que comanda uma unidade anti-terrorismo multinacional, composta pelos melhores soldados da OTAN (Organização do Atlântico Norte). No livro de Clancy que inspirou os games, publicado em 1998, a equipe é confrontada por um grupo com poder de destruição global. Vale observar que a premissa original se expandiu com os jogos, e uma das extensões mais recentes, “Skull Rain”, é ambientada no Rio de Janeiro.

Agora, as más notícias. Akiva Goldsman é o mais superestimado roteirista-produtor de Hollywood. Ele tem um Oscar, conquistado por “Uma Mente Brilhante” (2001) há 16 anos, mas também colocou seu nome em alguns dos piores lançamentos norte-americanos dos últimos 20 anos, entre eles “Batman e Robin” (1997), “Perdidos no Espaço: O Filme” (1998), “O Código Da Vinci” (2005), “Hancock” (2008), “Jonah Hex” (2010), “Um Conto do Destino” (2014), “A Série Divergente: Insurgente” (2015), “A 5ª Onda” (2016), “O Chamado 3” (2016), “Rei Arthur: A Lenda da Espada” (2017), “Transformers: O Último Cavaleiro” (2017) e o vindouro e provavelmente desastroso “A Torre Negra”.

Para completar, o roteiro do projeto está sendo escrito pela dupla André Nemec e Josh Appelbaum (ambos de “As Tartarugas Ninja”)

Ainda não há previsão para o começo da produção.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna