Emmy 2017 tem recorde de indicações de atores negros

Emmy 2017 tem recorde de indicações de atores negros

 

A cada ano, mais e mais atores negros, pardos e asiáticos têm se destacado na indústria televisiva norte-americana, e o Emmy 2017 refletiu a ampliação dessa diversidade com um número recorde de indicações. Ao todo, 27 artistas não brancos vão disputar troféus de interpretação neste ano, superando os 21 do ano passado. E o número chega a 30, quando se incluem os apresentadores de reality shows.

A abundância pode ser atribuída ao aumento das produções voltadas para nichos específicos, que ganharam impulso com o streaming e a TV paga. Entretanto, foi uma série da TV aberta que rendeu o maior número de atores negros indicados. “This Is Us”, da rede NBC, trouxe indicações para Sterling K. Brown (Melhor Ator em Série de Drama), Ron Cephas Jones (Coadjuvante) e Brian Tyree Henry (Ator Convidado).

Entre as categorias, a de Melhor Ator de Comédia e Atriz Coadjuvante de Drama são as mais disputadas. A primeira inclui Anthony Anderson (“Black-ish”), Aziz Ansari (“Master of None”) e Donald Glover (“Atlanta”), enquanto a segunda traz Uzo Aduba (“Orange Is the New Black”), Thandie Newton (“Westworld”) e Samira Wiley (“The Handmaid’s Tale”).

A estrela mais famosa na disputa é Viola Davis (“How to Get Away with Murder”), que há dois anos se tornou a primeira negra a vencer como Melhor Atriz de Drama, categoria em que volta a concorrer. No início deste ano, ela também conquistou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por “Fences” (o filme lançado no Brasil como “Um Limite Entre Nós”).

Apesar da grande representatividade de artistas negros, a diversidade não é tão ampla assim, com apenas dois indianos/paquistaneses (Ansari e Riz Ahmed), um latino (Lin-Manuel Miranda) e um asiático (BD Wong) na relação de minorias não brancas.

Com apresentação de Stephen Colbert, a cerimônia do Emmy 2017 será realizada no dia 17 de setembro, no Microsoft Theater, em Los Angeles. No Brasil, a premiação tem sido exibida ao vivo pelo canal pago Warner.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna