The Blacklist é renovada, mas The Blacklist: Redempton não voltará

The Blacklist é renovada, mas The Blacklist: Redempton não voltará

 

A rede NBC anunciou a renovação da série “The Blacklist” para sua 5ª temporada. Infelizmente, ela não será acompanhada pelo spin-off “The Blacklist: Redemption”, que não terá mais episódios além dos exibidos neste ano.

A série derivada, estrelada por Ryan Eggold e Famke Janssen, atraiu uma média de 4 milhões de telespectadores para os 8 capítulos de sua única temporada reduzida, exibidos durante hiato da série principal, entre fevereiro e abril. A audiência ficou 1 milhão abaixo do que “The Blacklist” costuma gerar. Por isso, sua continuação foi descartada.

Em comunicado, a NBC anunciou que Ryan Eggold voltará a figurar no elenco fixo de “The Blacklist”, retomando o papel de Tom Keen. Assim, eventuais ramificações da história de “Redemption” serão resolvidas na trama da série-mãe.

Embora tenha um desempenho apenas razoável ao vivo, com 5 milhões de telespectadores, “The Blacklist” praticamente dobra sua audiência quando somam-se todas as plataformas, atingindo 9,6 milhões. Graças à audiência digital, a série é atualmente a terceira produção mais popular da NBC, atrás apenas de “This Is Us” e “Chicago Fire”.

Criada por Jon Bokenkamp, a série gira em torno de conspirações de grupos secretos, que o FBI tenta desmontar com base nas informações de um inesperado informante, o supervilão Raymond ‘Red’ Reddington (James Spader), cujas colaborações são sempre acompanhadas de segundas intenções.

O elenco também inclui Megan Boone, Diego Klattenhoff, Harry Lennix, Amir Arison e Mozhan Marnò, que compõem a força-tarefa do FBI encarregada de realizar as missões da trama.

Foram encomendados 22 novos episódios da série, que chegou a ir ao ar na TV aberta brasileira (Globo) com o título “Lista Negra”. Já na TV fechada, é “The Blacklist” mesmo, com exibição no canal pago AXN dos episódios mais recentes.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna