Warner estaria negociando com diretor de X-Men: Primeira Classe para continuação de O Homem de Aço

Warner estaria negociando com diretor de X-Men: Primeira Classe para continuação de O Homem de Aço

 

Rumores da internet indicam que a Warner pretende mudar de direção em relação à continuação de “O Homem de Aço”. O site geek Collider espalhou que o estúdio busca contratar Matthew Vaughn, diretor que tem se especializado em adaptações de quadrinhos. Os últimos quatro filmes do cineasta inglês pertencem ao gênero: “Kick-Ass” (2010), “X-Men: Primeira Classe” (2012), “Kingsman: Serviço Secreto” (2014) e a vindoura sequência “Kingsman: O Círculo Dourado”.

Segundo o Collider, conversas preliminares já teriam ocorrido. E mesmo se não for possível encaixar as agendas, o estúdio acena com a possibilidade de Vaughn assumir outro filme de super-heróis da DC.

Claro, nada disso foi confirmado. E o Collider é o mesmo site que afirmou que “Logan” teria uma cena extra, mesmo depois da première no Festival de Berlim.

Como exercício especulativo, vale lembrar que em 2010 Vaughn disse à MTV que sua uma ideia para um filme do Superman era exatamente o oposto do que o diretor Zach Snyder acabou realizando. “Eu acho que uma das coisas que não devemos fazer com o Superman é fazer algo sério como ‘O Cavaleiro das Trevas’. Superman é sobre cores, diversão, ou deveria ser, na minha opinião.”

Caso a informação se revele verdadeira e Vaughn feche o contrato, ele será o segundo diretor da franquia “X-Men” a filmar Superman. Bryan Singer foi o responsável por “Superman – O Retorno” (2006), que deveria relançar o herói nas telas. O fracasso do filme e especialmente a péssima escalação de elenco não só travaram os planos de expansão do universo DC no cinema como acabaram inspirando o reboot feito por Zach Snyder.

A notícia de que a Warner está novamente em busca de novos rumos é, por sinal, um banho de água fria em Snyder, que tinha planos de continuar “O Homem de Aço”.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna