Wagner Moura e governo protagonizam confronto sobre a reforma da Previdência

Wagner Moura e governo protagonizam confronto sobre a reforma da Previdência

 

O ator Wagner Moura (série “Narcos”) e o Palácio do Planalto protagonizaram um confronto em torno da proposta de reforma da Previdência, com direito a discussões em vídeos e nas redes sociais.

O primeiro golpe foi dado por vídeo divulgado pelo MTST, em que Moura faz críticas aos três pontos mais polêmicos da proposta: idade mínima para concessão da aposentadoria, igualdade na idade para concessão do benefício para homens e mulheres e a exigência de 49 anos de contribuição para ter direito de receber o valor integral.

Em um trecho do vídeo do MTST, Wagner Moura diz que a proposta partiu de Temer, que já está “aposentado desde os 55 anos de idade e ganhando mais de R$ 30 mil”. Além disso, ressalta que o projeto será analisado por uma parte de senadores e deputados que “também se aposentam cedo e cheios de privilégios”.

A resposta do governo de Michel Temer veio em outro vídeo, que afirma que “o MTST contratou um ator para inventar ficção sobre a reforma”.

Um dos pontos rebatidos foi exigência de 49 anos de contribuição para ter direito a aposentadoria integral. O governo chama essa afirmação de “distorção”, já que “a maioria dos brasileiros vai se aposentar com 65 anos de idade, contribuindo por 25 anos”. A informação faz referência aos que recebem salário mínimo, por não existir aposentadoria abaixo desse valor. De acordo com o governo, os mais pobres representam 63% dos brasileiros. Na semana passada, Temer afirmou que críticos a reforma da Previdência são os mais ricos, que ganham acima do teto da Previdência.

Já sobre a igualdade na idade mínima da aposentadoria para homens e mulheres, o vídeo também rebate e diz que essa é uma tendência internacional, além de alegar que no Brasil as “mulheres têm uma taxa de sobrevida maior e poderão aproveitar a aposentadoria por mais tempo”.

Wagner Moura rebateu a rebatida, via comunicado divulgado pelo MTST nas redes sociais, em que afirma não ter sido pago para fazer o vídeo. Diz o texto: “Wagner Moura esclarece que diferentemente do que foi dito no vídeo publicado pelo governo federal em suas redes sociais no dia 14 de março, ele não foi contratado pelo MTST para vídeo contra a proposta de reforma da previdência. Wagner participou voluntariamente da mobilização”.

Veja abaixo os dois vídeos divulgados e a mensagem postada no Facebook do ator.

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.