Natalie Portman e Scarlett Johansson seriam favoritas para viver Lizbeth Salander no reboot da franquia Millennium

Natalie Portman e Scarlett Johansson seriam favoritas para viver Lizbeth Salander no reboot da franquia Millennium

 

Vai começar de novo. Após anunciar que iria retomar a saga “Millennium” pelo pior caminho possível – pulando do primeiro para o quarto livro com mudança completa do elenco – , a Sony vai reiniciar a busca por uma nova intérprete de Lizbeth Salander.

“Lisbeth Salander é o tipo de personagem que qualquer diretor sonha em trazer à vida. Nós já temos o roteiro e agora vem a parte mais divertida – encontrar a nossa Lisbeth”, disse o uruguaio Fede Alvarez (“O Homem nas Trevas”), que irá dirigir a adaptação de “A Garota na Teia de Aranha”.

Pois não é que até a revista Variety deu uma de Heroic Hollywood, citando os nomes mais óbvios possíveis como candidatas preferencias ao papel? Sim, Natalie Portman (35 anos) e Scarlett Johansson (32 anos).

Uau!

Será que as duas são favoritas só a este filme?

Vamos esquecer que Scarlett é a atriz mais rentável de Hollywood por um instante para lembrar que ela chegou a tentar o papel em 2010, quando o diretor David Fincher escolheu Rooney Mara (hoje com 31 anos).

Sete anos e um filho depois, ela ainda tem o perfil de Salander?

E Portman, dois filhos depois do começo da primeira produção?

As duas são as melhores ideias de Hollywood para interpretar uma hacker sueca, punk e bissexual de 24 anos?

Ou a Variety passou a usar a mesma “fonte” do Heroic Hollywood, Latino Review e, ultimamente, The Wrap?

Como as filmagens só vão começar em setembro, a fonte ainda vai ter a chance de citar Alicia Vikander (28 anos), Brie Larson (27 anos) e Emma Stone (26 anos). Alguém aposta em Tom Cruise (54 anos)?

Para no final chegar em Jane Levy (28 anos), que estrelou os dois filmes anteriores do diretor.

Mas Kristen Stewart (26 anos), que foi cotada para o primeiro filme, é disparada a melhor opção.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna