Filme de guerra de Christopher Nolan quase não terá diálogos

Filme de guerra de Christopher Nolan quase não terá diálogos

 

O cineasta Christopher Nolan (“Interestelar”) revelou alguns detalhes sobre o que o público pode esperar de seu novo filme, “Dunkirk”, que se foca numa operação militar conhecida como Dínamo, responsável por evacuar 340 mil soldados aliados da cidade francesa de Dunquerque durante a 2ª Guerra Mundial, sob intenso bombardeio.

Em entrevista à revista francesa Premiere, Nolan contou que, por conta da tensão e da quantidade de cenas de ação, o filme terá poucos diálogos. “A empatia pelos personagens não tem nada a ver com a sua história. Eu não queria contar a história através dos diálogos. O problema não é quem eles são, quem eles fingem ser ou onde estão. A única questão que me interessava mostrar era luta pela sobrevivência. Será que eles vão sair dali? Serão mortos pela próxima bomba ou serão esmagados por um barco enquanto caem no mar?”, ele declarou.

Outra novidade revelada pelo diretor é que o filme será dividido em três partes, marcadas por diferentes pontos de vista. Assim haverá a perspetiva dos eventos daqueles que estão em terra (Fionn Whitehead, Harry Styles), no mar (Cillian Murphy, Mark Rylance) e no ar (Tom Hardy).

“Para os soldados embarcados no conflito, os eventos ocorreram em diferentes temporalidades. Em terra, alguns ficaram uma semana presos na praia. Na água, os eventos duraram no máximo um dia. E se você estivesse a voar para Dunquerque, os Spitfire britânicos [caças] só carregavam uma hora de combustível. Para misturar essas diferentes versões da história, era preciso misturar os estratos temporais. Daí, a estrutura complicada. Mesmo que a história seja muito simples”.

“Dunkirk” tem estreia prevista para 27 de julho no Brasil.

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.