Diretor de Vingadores fará filme solo da Batgirl

Diretor de Vingadores fará filme solo da Batgirl

 

A Batgirl vai ganhar um filme solo e o estúdio Warner está negociando com ninguém menos que Joss Whedon (“Os Vingadores”) para escrever, dirigir e produzir o longa-metragem. Quem garante é o site da revista Variety.

Não existem muitas informações sobre o projeto, mas ele deve incluir outros personagens do universo de Batman, como o Comissário Gordon. O site diz que a ideia surgiu no mês passado e tem a supervisão de Toby Emmerich, presidente e chefe de conteúdo da Warner Bros.

Com isso, a Warner terá seu segundo filme protagonizado por uma heroína da DC Comics depois de “Mulher-Maravilha”, que chega aos cinemas em 1º de junho, enquanto a Marvel enrola e enrola e não anuncia o longa da Viúva Negra.

Por ironia, Whedon foi uma das primeiras escolhas da Warner para desenvolver o filme da Mulher-Maravilha. Mas, na ocasião, ele teve seu roteiro recusado. Isto foi anos antes do criador de “Buffy – A Caça-Vampiros” virar diretor de blockbusters, ao bater recordes de bilheteria com “Os Vingadores” (2012) e “Vingadores: Era de Ultron” (2015) na Marvel.

Assim como a Arlequina, Batgirl não teve origem nos quadrinhos, mas numa produção televisiva. Sua criação foi encomendada pelo produtor da série “Batman” dos anos 1960 e se tornou o único caso em que um intérprete de super-herói se provou tão importante quanto os traços do desenhista que determinou seu estilo visual.

Durante as discussões da 3ª temporada de “Batman”, o produtor William Dozier pediu ao editor da DC Comics, Julius Schwartz, que criasse uma nova heroína, com a indicação de que ela deveria ser filha do Comissário Gordon. Mas apesar de Schwartz introduzi-la alguns meses antes nos quadrinhos, quando Barbara Gordon debutou, em janeiro de 1967, ela já parecia exatamente como sua futura intérprete na série. É que a atriz Yvonne Craig serviu de modelo para os desenhos, tendo até gravado um vídeo piloto de apresentação da personagem para o canal ABC e a DC Comics, enfrentando o mesmo vilão de sua estreia nos gibis – o Mariposa Assassina.

O desenhista Carmine Infantino acabou aperfeiçoando o uniforme, mas o visual definitivo se deve à série de TV, após a nova heroína causar sensação por enfrentar os batvilões com golpes supercoreográficos, que utilizavam a experiência de Yvonne como dançarina de balé – ela dispensava dublês.

Batgirl também aparentava ser mais mod que Batman, conforme demonstrava sua predileção por dirigir uma scooter envenenada. E era extremamente sexy, graças ao uniforme colante que salientava suas curvas perigosas. Tudo isso vinha de Yvonne, atriz que já era cultuada por participações em filmes e séries clássicas.

Ao contrário de alguns vilões criados especialmente para o programa, o apelo de Batgirl sobreviveu ao cancelamento da série “Batman” em 1968. E Yvonne, que faleceu em 2015, manteve-se por toda a vida orgulhosa de ter inspirado a personagem, a ponto de protestar publicamente quando a DC Comics publicou a graphic novel “A Piada Mortal” nos anos 1980, na qual o Coringa deixou Barbara Gordon paraplégica.

Desde este atentado, outras personagens já tentaram assumir o capuz da Batgirl. Mas, segundo a revista Entertainment Weekly, o filme será mesmo sobre Barbara Gordon.

Por enquanto, não há data para o começo da produção. Mas as especulações sobre quem viverá a nova Batgirl já podem começar.

A dúvida é se a Warner buscará preservar a personagem como uma jovem ruiva, já que todos os personagens ruivos de seus quadrinhos são interpretados por atores negros nas adaptações televisivas.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna