Criador de Dear White People agradece racistas que protestaram contra sua série

Criador de Dear White People agradece racistas que protestaram contra sua série

 

O cineasta Justin Simien, diretor do filme indie “Cara Gente Branca” e criador da serie homônima, agradeceu à polêmica e ameaça de boicote dos assinantes brancos da Netflix nos EUA, causada por sua atração. Na última semana, centenas de clientes da Netflix anunciaram que estavam cancelando o serviço de streaming por conta do teaser da série, que será lançada com o nome original em inglês “Dear White People”, acusando o conteúdo de promover o racismo e o “genocídio dos brancos”.

“Obrigado por me ajudarem a fazer o teaser da série se tornar o vídeo mais visto na história da Netflix!”, ele postou no Twitter. “Mais de 3 milhões de visualizações. Mal posso esperar para ver o que vai acontecer quando lançar o trailer propriamente dito”.

Em entrevista ao programa Entertainment Tonight, ele fez questão de agradecer aos racistas pela atenção gerada pela produção.

“Para mim, foi realmente profundo e encorajador, de um jeito estranho”, ele disse. “Só chamou mais atenção para a série. Então, obrigado supremacistas brancos, por me ajudar a promover minha atração. Tenho que me sentir agradecido por sua insanidade”.

Ele também escreveu um longo texto no site Medium, reparando que as queixas que acusavam a série de racismo eram acompanhadas por expressões racistas, como “nigger”. E ainda ponderou em seu Twitter sobre as acusações de promover o genocídio branco. Genocídio, claro, quer dizer o extermínio completo de uma raça por assassinato em massa.

“Vivemos num mundo de dissonância cognitiva. A igualdade soa como opressão para os privilegiados, porque três palavras benignas os colocam em luta por suas existências, que, por acaso, não está realmente em perigo algum. E assim, um vídeo de 1 minuto se torna um apelo distorcido ao genocídio de brancos na mente de algumas pessoas. É o mundo da pós-verdade em que vivemos”.

A série vai continuar a trama do filme “Cara Gente Branca”, que foi feito por meio de financiamento coletivo e premiado no Festival de Sundance de 2014. No longa, quatro jovens negros que ingressam na universidade se deparam com o racismo da instituição. Quando os alunos brancos decidem dar uma festa temática sobre a raça negra, os quatro se mobilizam e passam a questionar tudo, inclusive o pensamento politicamente correto e condescendente a respeito da diversidade racial.

“Cara Gente Branca” também foi premiado como Melhor Roteiro de Estreia no Spirit Awards (o Oscar indie) de 2015. Mesmo assim, foi lançado no Brasil apenas em VOD (video on demand).

Por sinal, o polêmico teaser da série não foi disponibilizado para o mercado brasileiro, por isso encontra-se sem legendas. A estreia está marcada para 28 de abril.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna