Sony teve prejuízo de quase US$ 1 bilhão em 2016

Sony teve prejuízo de quase US$ 1 bilhão em 2016

 

O estúdio que achou que lançar uma versão feminina de “Caça-Fantasmas” era uma boa ideia, que fazer um remake “politicamente correto” de “Sete Homens e um Destino” lotaria os cinemas, que o mundo estava louco por uma nova distopia adolescente, como “A 5ª Onda”, e que continuar a franquia “O Código Da Vinci” com “Inferno” era sucesso garantido, teve prejuízo de quase US$ 1 bilhão no último trimestre fiscal de 2016.

A Sony informou oficialmente nesta segunda-feira (30/1) ter fechado o ano passado com prejuízo de US$ 976 milhões em seu segmento de filmes.

Mas, como executivos nunca erram, a companhia culpa a concorrência da Netflix e de outros serviços de streaming online pelo fiasco. As plataformas teriam prejudicado a demanda por DVDs de filmes.

Um porta-voz da empresa disse à Bloomberg que o declínio no mercado de DVD e Blu-ray foi mais rápido do que a Sony esperava. Agora, a companhia está apostando cada vez mais no seu negócio de viodegames, que gerou uma renda duas vezes maior do que a divisão de filmes no último ano fiscal.

A desculpa oficial só não explica porque a Sony não participou, no mesmo período, do sucesso dos demais estúdios, quando os cinemas bateram recorde de arrecadação e a Disney atingiu a maior bilheteria de um estúdio em todos os tempos.

O fato é que o mercado já foi informado que Michael Lynton, o executivo-chefe da unidade de cinema e televisão da Sony Entertainment, vai renunciar ao cargo em fevereiro. Ele deve ir trabalhar no Snapchat, como recompensa pelos bons serviços.

Graças aos resultados de Lynton, várias empresas de mídia e tecnologia, interessadas em comprar a divisão que ele comanda, buscaram retomar conversas. Mas a companhia não estaria à venda.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna