Filme sobre Tiradentes vai disputar o Urso de Ouro no Festival de Berlim

Filme sobre Tiradentes vai disputar o Urso de Ouro no Festival de Berlim

 

O filme “Joaquim”, cinebiografia de Tiradentes dirigida pelo cineasta Marcelo Gomes (“Era uma Vez Eu, Veronica”), foi selecionado para a mostra competitiva do Festival de Berlim. O longa está entre os dez títulos anunciados nesta terça-feira (10/1) pela organização do festival alemão, como complemento da lista dos concorrentes ao Urso de Ouro em 2017.

A inclusão de “Joaquim” acontece dois anos após “Praia do Futuro”, de Karim Aïnouz, ter sido o último representante do país na competição. Curiosamente, Gomes e Aïnouz são parceiros, tendo trabalhado juntos em “Madame Satã” (2002), “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005) e “Viajo Porque Preciso, Volto Porque te Amo” (2009).

“Joaquim” surgiu inicialmente como parte de um projeto de coproduções da Televisão Espanhola (TVE), realizado em homenagem ao bicentenário das revoluções sul-americanas. Além do filme de Tiradentes, representando o Brasil, fizeram parte do plano original “José Marti: O Olho do Canário” (2010), do cubano Fernando Pérez (“Últimos Dias em Havana”), “Hidalgo – A História Jamais Contada” (2010), do mexicano Antonio Serrano (“Macho”), “Revolução: A Cruzada de San Martin” (2011), do argentino Leandro Ipiña (série “Exodo”), “Artigas – La Redota” (2011), do uruguaio César Charlone (série “3%”), e “Libertador” (2013), uma cinebiografia de Simon Bolivar feita pelo venezuelano Alberto Arvelo (“Habana, Havana”). Mas aí veio a crise financeira europeia, e “Joaquim” precisou ser feito com recursos próprios, enquanto outros projetos jamais saíram do papel – um filme chileno sobre Bernardo O’Higgins e um peruano a respeito de Tupac Amaru, por exemplo.

A história de Tiradentes já rendeu vários filmes, entre eles o marcante “Os Inconfidentes” (1972), dirigido por José Pedro de Andrade e com José Wilker no papel principal. Mas o personagem foi explorado até em novelas, interpretado por Carlos Zara em “Dez Vidas” (1969) e por Thiago Lacerda na recente “Liberdade, Liberdade” (2016).

O filme de Marcelo Gomes tem como diferencial forcar-se mais nas viagens de Tiradentes por Minas Gerais e Rio de Janeiro e no caldeirão de ideias que formou a consciência política do alferes Joaquim José da Silva Xavier, vivido por Julio Machado (“Trago Comigo”). O roteiro foi feito em parceria com João Dumans (“A Cidade onde Envelheço”), segundo declarou o pernambucano Gomes, para ter um “olhar mineiro”.

O cinema brasileiro venceu duas vezes o Urso de Ouro com “Central do Brasil”, em 1998, e “Tropa de Elite”, em 2008.

O presidente do júri deste ano será o cineasta holandês Paul Verhoeven, atualmente em cartaz nos cinemas com “Elle”, que venceu os Globos de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Atriz (Isabelle Huppert) e foi um dos 15 melhores filmes lançados em circuito limitado no Brasil em 2016.

Além de “Joaquim”, o Brasil será representado por mais quatro longas nas mostras paralelas do festival: “Vazante”, de Daniela Thomas, e “Pendular”, de Júlia Murat, na mostra Panorama, “Mulher do Pai”, de Cristiane Oliveira, e “As Duas Irenes”, de Fábio Meira, na mostra Generation, além do curta “Estás vendo Coisas”, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca.

O Festival de Berlim ocorrerá entre 9 e 19 de fevereiro na capital da Alemanha.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna