Crossover musical das séries The Flash e Supergirl tem vilão revelado

 

Além de confirmar a aparição do Flash Negro na série “The Flash”, o produtor Andrew Kreisberg adiantou detalhes do crossover musical entre as séries “The Flash” e “Supergirl”, durante o evento semestral de imprensa da TCA (a Associação dos Críticos de TV dos EUA).

A principal novidade é que o Mestre da Música será o vilão da história. O personagem apareceu num episódio da série animada “Batman: Os Bravos e Destemidos”, dublado por Neil Patrick Harris (série “How I Met Your Mother”), e tem a capacidade de hipnotizar as pessoas para fazê-las cantar e dançar.

Ainda não foi escalado o intérprete do vilão nem o diretor dos episódios. Por sinal, o produtor não quis comentar os rumores de que Joss Whedon (“Os Vingadores”) poderia dirigir o crossover.

O nome de Whedon é aventado desde que a ideia do musical veio à tona, em agosto. Vale lembrar que um dos melhores episódios da série “Buffy: A Caça-Vampiros” – e da história da televisão – foi escrito e dirigido por Whedon em 2001, o especial musical “Once More, With Feeling”, em que os personagens centrais foram amaldiçoados a usar apenas música e dança para se expressar.

Outra curiosidade: Whedon também dirigiu Neil Patrick Harris no musical de super-heróis “Dr. Horrible’s Sing-Along Blog” em 2008.

Para completar, os atores Grant Gustin e Melissa Benoist, intérpretes de Flash e Supergirl, fizeram parte do elenco de “Glee” antes de viraram super-heróis, e com essa proposta terão a chance de demonstrar novamente seus talentos como cantores.

Segundo Kreisberg, o crossover começará na série “Supergirl” e continuará em “The Flash”, e a trama terá grande impacto no futuro de ambas as produções.

Os episódios inéditos de “The Flash” e “Supergirl” retornam no fim de janeiro. No Brasil, ambas as séries são exibidas pelo canal pago Warner.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna