Ben Affleck desiste de dirigir filme do Batman

Ben Affleck desiste de dirigir filme do Batman

 

O ator Ben Affleck desistiu de realizar a direção do próximo filme do Batman, que está sendo desenvolvido pelo estúdio Warner Bros. Em comunicado oficial, ele informou que decidiu trabalhar apenas como ator, roteirista e produtor do longa.

“Há certos personagens que ocupam um lugar especial nos corações de milhões de pessoas “, anunciou Ben Affleck no comunicado. “Interpretar estes personagens exige foco, paixão e o melhor desempenho que posso dar. Ficou claro que não posso fazer os dois trabalhos no nível que exigem. Junto com o estúdio, eu decidi procurar um parceiro para ser o diretor que vai colaborar comigo neste filme grandioso. Eu ainda estou envolvido, vamos fazer dar certo, mas no momento estamos buscando um diretor. Continuo extremamente comprometido com este projeto, e espero poder trazer isso à vida para os fãs ao redor do mundo.”

A princípio, a negociação de Affleck previa que ele estrelasse, escrevesse, dirigisse e produzisse o novo longa-metragem do Homem-Morcego, mas já há algumas semanas o ator vinha dando sinais de que pressão estava muito grande. O fracasso de seu mais recente filme como diretor, “A Lei da Noite”, e a indicação ao Framboesa de Ouro 2017 por seu desempenho como Batman/Bruce Wayne em “Batman vs Superman” podem ter contribuído para a decisão.

Com a confirmação de sua desistência, agora o estúdio começa a busca de um diretor, que trará um novo ponto de vista para a produção, inclusive em relação ao roteiro, escrito por Affleck em parceria com Geoff Johns (executivo da DC Entertainment, que também ajudou a criar a série “The Flash”)

Affleck voltará a vestir a capa de Batman em “Liga da Justiça”, juntando-se a Superman (Henry Cavill), Mulher Maravilha (Gal Gadot), Aquaman (Jason Momoa), Flash (Ezra Miller) e Cyborg (Ray Fisher). Novamente dirigido por Zack Snyder, o filme estreia em novembro no Brasil.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna