Taís Araújo protesta contra estampa de escravos na moda: “Escravidão não pode virar pop”

Taís Araújo protesta contra estampa de escravos na moda: “Escravidão não pode virar pop”

 

A atriz Taís Araújo embarcou numa polêmica no mundo da moda na sexta-feira (14/10), usando seu Instagram para protestar contra uma peça da nova coleção da grife Maria Filó, estampada com desenhos de mulheres negras, retratadas como escravas. Taís, que já foi vítima de ataques racistas na internet, lamentou a opção estética da companhia.

“Uma marca de roupas resolveu usar uma estampa de negros escravizados inspirada na obra de Debret e sua visão sobre a sociedade brasileira nos idos de 1800. Há quem defenda que Debret na verdade fazia uma denúncia, mas é também provável que Debret nunca tenha tido esse objetivo, flertando com o estranhamento dos horrores causados pela escravidão nesse nosso mundo novo. Acho que, em 2016, os quadros de Debret devem ser mantidos em museus, retratados em livros, e não estampados como se fora uma homenagem”, escreveu a atriz.

Ela ainda acrescentou que a escravidão não pode ser usada como cultura pop, mas denunciada como uma vergonha para a história da humanidade. “A escravidão não pode virar “pop”, não pode ser vendida como uma peça de moda. A moda nos representa, nos posiciona, nos empodera, comunica quem somos. Não se pode fazer dela uma vitrine de uma história da qual devemos nos envergonhar. Já contaram nossa história de maneira distorcida. Esse (nosso) povo, na verdade, construiu esse país e merece respeito na nossa época!”

O lançamento da coleção da Maria Filó reverberou por toda a internet brasileira, causando revolta e indignação. O caso ganhou repercussão depois que a consumidora Tâmara Isaac desabafou sobre a situação em seu perfil no Facebook, impressionada com o racismo da peça. Taís também disse que teve a atenção chamada pelo post de Tâmara, que teve mais de 1,5 mil compartilhamentos.

A empresa esclareceu que buscou se inspirar em uma obra de Debret na estampa. “A marca pede desculpas e informa que já está tomando providências para que a estampa seja retirada das lojas”, afirmou em nota à impresa.

Veja abaixo o post completo de Taís:

Uma marca de roupas resolveu usar uma estampa de negros escravizados inspirada na obra de Debret e sua visão sobre a sociedade brasileira nos idos de 1800. Há quem defenda que Debret na verdade fazia uma denúncia, mas é também provável que Debret nunca tenha tido esse objetivo, flertando com o estranhamento dos horrores causados pela escravidão nesse nosso mundo novo. Acho que, em 2016, os quadros de Debret devem ser mantidos em museus, retratados em livros, e não estampados como se fora uma homenagem. A escravidão não pode virar “pop”, não pode ser vendida como uma peça de moda. A moda nos representa, nos posiciona, nos empodera, comunica quem somos. Não se pode fazer dela uma vitrine de uma história da qual devemos nos envergonhar. Já contaram nossa história de maneira distorcida. Esse (nosso) povo, na verdade, construiu esse país e merece respeito na nossa época! Precisamos reconhecer o nosso valor. São atitudes como essa da Tâmara Isaac, que trouxe luz ao assunto das estampas, que me deixam a cada dia mais certa de que estamos no caminho. De nos encorajar com amor, nos abraçar e defender nossas ideias, nossos direitos e nossa história.

Uma foto publicada por Tais Araújo (@taisdeverdade) em

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna