Cinquenta Tons Mais Escuros bate recorde de Star Wars como trailer mais visto do mundo

Cinquenta Tons Mais Escuros bate recorde de Star Wars como trailer mais visto do mundo

 

O trailer de “Cinquenta Tons Mais Escuros”, a sequência de “Cinquenta Tons de Cinza” (2015), bateu o recorde de visualizações em 24 horas, sendo visto 114 milhões de vezes entre terça (13/9) e quarta.

Segundo os sites Variety e The Hollywood Reporter, o total foi atingido em diversas plataformas, como YouTube, Facebook e Instagram, e supera a antiga marca de 112 milhões que ostentava “Star Wars: O Despertar a Força” (2015).

Do total, 39,4 milhões de visualizações foram nos Estados Unidos e Canadá. O Reino Unido aparece com 18,9 milhões. E a maior surpresa é o Brasil foi o terceiro país que mais ajudou nesta conta, com 12,4 milhões.

Ironicamente, o trailer não mostra nenhuma cena muito excitante, exibindo uma estética de comercial de perfume masculino, e tem mais conflitos de telenovela, com cenas de brigas e ciúmes, que de romance erótico. Mas, aparentemente, é o que o público quer ver. E o estúdio Universal comemora o fato de ainda haver interesse na franquia, após um hiato maior que o ideal na produção da sequência, que poderia dar tempo para uma reavaliação sob a luz das críticas negativas do primeiro filme, vencedor do troféu Framboesa de Ouro de Pior Filme do ano passado.

No segundo filme da franquia, James Foley (série “House of Cards”) assumiu a direção no lugar de Sam Taylor-Johnson, que, durante a produção do longa inicial entrou em choque com a escritora E.L. James, autora dos livros. Como James também é produtora dos filmes, conseguiu empregar seu marido Niall Leonard (telefilme “Hornblower: Loyalty”) como roteirista do longa-metragem, garantindo maior controle sobre a adaptação.

“Cinquenta Tons Mais Escuros” estreia em 10 de fevereiro de 2017, às vésperas do Dia dos Namorados no hemisfério norte. No Brasil, o lançamento acontece seis dias depois, em 16 de fevereiro.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna