Jason Bourne: Versão 3D do filme está deixando o público doente na China

Jason Bourne: Versão 3D do filme está deixando o público doente na China

 

O filme de ação “Jason Bourne” está fazendo o público chinês passar mal. E no pior sentido. É que a produção foi convertida para 3D no país, visando cobrar ingressos mais caros. Mas não foi filmada para este formato. Contendo muita câmera na mão e correria, as imagens tremidas estão fazendo os chineses sentirem enjoos e tontura durante as sessões. Há relatos escatológicos.

O problema está gerando uma revolta contra as produções americanas que estão sendo lançadas exclusivamente em 3D na China. O público chinês reclama que está pagando mais caro para ver filmes com imagens de péssima qualidade, que não foram exibidas da mesma forma nos outros países. No Brasil, por exemplo, todas as cópias de “Jason Bourne” foram projetadas em 2D.

“A versão em 3D é um truque. Isso tem acontecido com frequência na China e precisa acabar”, reclamou um internauta chinês nas redes sociais, segundo o site Deadline.

Diante das reclamações, o braço chinês da Universal emitiu um comunicado afirmando que está trabalhando para aumentar o circuito 2D do filme nos próximos dias.

Segundo as contas do Deadline, um filme em 3D pode ter um faturamento 33% maior do que um filme em 2D na China. Em apenas dois dias, “Jason Bourne” faturou US$ 18,7 milhões por lá, o melhor resultado entre os quatro títulos da franquia de ação.

Mas a preferência pelo 3D tem outra motivação além da ganância. Vale lembrar que a pirataria é um fenômeno disseminado na China, e os filmes no formato não podem ser pirateados por câmeras de celulares.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna