Wolverine 3 deve seguir Deadpool e ter censura mais elevada

Wolverine 3 deve seguir Deadpool e ter censura mais elevada

 

Após o sucesso de “Deadpool”, surgiram rumores que “Wolverine 3” também poderia ter censura elevada. Pois agora, a revista The Hollywood Reporter confirma a informação, ouvindo fontes da produção que garantem que o longa sempre foi planejado dessa forma e que a decisão não tem a ver com o fenômeno causado pelo filme de Ryan Reynolds nas bilheterias.

O site cita a primeira imagem promocional de “Wolverine 3”, que mostra o mutante simulando o dedo do meio com uma garra (a imagem acima), para demonstrar que o tom do filme já estava planejado com antecedência. Além disso, afirma que a violência e linguagem do roteiro de Michael Green (o cara que escreveu “Lanterna Verde”) jamais passaria para menores.

Claro que o sucesso de “Deadpool” também foi positivo, ao demonstrar para o estúdio o potencial de um filme com classificação “R” (proibido para menores de 17 anos nos EUA). No Brasil, “Deadpool” foi exibido com classificação indicativa imprópria para menores de 16 anos.

Vale lembrar que tanto “X-Men Origens: Wolverine” quanto “Wolverine – Imortal” eram, no papel, filmes de censura mais elevada, mas acabaram sendo lançados para pré-adolescentes de 13 anos. Desta vez, porém, a abordagem tende a ser mais difícil de ser contornada.

Durante a San Diego Comic-Con 2015, Hugh Jackman sugeriu que viverá a versão envelhecida do mutante, ao resumir o próximo filme com três palavras: “Old Man Logan. Entendam como quiser”. Trata-se de uma referência a uma minissérie em quadrinhos de 2008, traduzida no Brasil como “O Velho Logan”. Escrita por Mark Millar (criador de “Kick-Ass” e “Kingsman”), a trama se passa num futuro distópico, no qual a maioria dos heróis foi eliminada, os vilões dominam o mundo e o Caveira Vermelha é presidente dos EUA. A trama encontra Wolverine escondido, casado e envelhecido. Ou melhor, Wolverine, não. Em seu lugar há um velho chamado Logan, um homem preocupado somente com o bem estar de sua família, e que é forçado a fazer decisões desesperadas. Para quitar suas dívidas, ele aceita participar de uma última missão perigosa, ajudando o Gavião Arqueiro, agora cego, a atravessar todo o país para salvar a filha dele (que é neta do Homem-Aranha!) do Rei do Crime. Mas a jornada não tem o desfecho feliz que os leitores esperavam, resultando num banho de sangue brutal e um relato desolador.

Esta história é uma porrada, para dizer o mínimo, e realmente pede uma censura elevada. Entretanto, ela é impossível de ser filmada com a atual divisão de personagens entre a Fox e a Marvel. Importantíssimo na história, o Gavião pertence ao Marvel Studios, assim como o Rei do Crime, o Homem-Aranha e o Hulk, cujos filhos canibais são vilões da trama. Caso seja mesmo a trama escolhida, vários personagens precisarão ser alterados.

Mark Millar, escritor de “O Velho Logan”, entusiasmou-se com a possibilidade da história virar filme e já sugeriu algumas alterações para adaptar a trama ao universo mutante da Fox. Mas suas sugestões, que são ótimas, chegaram após o roteiro já estar pronto.

Considerada uma espécie de “Cavaleiro das Trevas” do Wolverine, “O Velho Logan” também é, em termos cronológicos, a última aventura do herói. Em entrevista anterior, Hugh Jackman chegou a mencionar que a trama lhe parecia “o jeito perfeito de encerrar” a história do personagem – ou, pelo menos, seu ciclo no papel. O ator também confirmou na Comic-Con que vai interpretar Wolverine pela última vez no terceiro filme do mutante.

A direção está mais uma vez a cargo de James Mangold, responsável pelo filme anterior do personagem, “Wolverine – Imortal” (2013). Além disso, Patrick Stewart já mencionou que deve voltar a viver o Professor Xavier neste filme.

Como as filmagens devem começar em breve, mais novidades devem vir à tona nas próximas semanas. A estreia está marcada para 3 de março de 2017.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna