Os Dez Mandamentos bate recorde de bilheteria com cinemas vazios

Os Dez Mandamentos bate recorde de bilheteria com cinemas vazios

O filme “Os Dez Mandamentos”, versão condensada da novela de mesmo nome, vendeu 2 milhões de ingressos em seus primeiros três dias, atingindo o faturamento de R$ 24,22 milhões. Os dados são da empresa ComScore e foram divulgados nesta segunda-feira (1/2).

Assim, a novela da Record bateu “Tropa de Elite 2”, que detinha o recorde anterior de maior estreia nacional, com 1,2 milhões de ingressos vendidos em seu final de semana de estreia. Os números, por sinal, aproximam a produção televisiva de blockbusters americanos, como “Vingadores: Era de Ultron”, com 2,6 milhões de ingressos, e “Velozes e Furiosos 7”, 2,3 milhões em seus primeiros três dias.

A produção tinha praticamente esgotado todos os ingressos em pré-venda – fala-se em 3 milhões de ingressos vendidos para as primeiras semanas. Mas o estímulo do marketing religioso, que incluiu, segundo levantamento do site UOL, compra em massa de entradas por integrantes da Igreja Universal, rendeu um fenômeno paradoxal: bilheterias esgotadas com salas vazias.

O site da revista Veja também repercutiu o fato, encontrando diversos cinemas vazios em São Paulo, mesmo com todos os seus ingressos vendidos.

“Se tem lugar? Tem todos, a sala está praticamente vazia”, disse um funcionário do Playarte Marabá, no centro da capital paulista, à Veja, arriscando, inclusive, sua interpretação para o fenômeno. “Os pastores compraram as lotações de ‘Os Dez Mandamentos’ e distribuíram para os fiéis, mas eles não estão vindo em massa, não. De tarde, aparece um pessoalzinho.”

Em Recife, um único comprador adquiriu 22.700 ingressos de uma rede de cinemas para todas as sessões, em todos os horários do filme durante as duas primeiras semanas de exibição do longa na cidade.

“Passamos uma manhã inteira imprimindo de uma vez só os 22 mil ingressos. Nunca tinha visto algo do tipo nos dez anos em que trabalho no cinema”, revelou o funcionário do cinema ao UOL, contando que o comprador seria alguém ligado à Universal e que teria dito que pretendia distribuir os ingressos.

Ao UOL, a Igreja Universal disse não ter comprado ingressos.

De acordo com a distribuidora Paris filmes, o lançamento de “Os Dez Mandamentos” em 1,1 mil cinemas (um terço de todo o parque exibidor nacional) alcançou média de 550 espectadores por sala. Mas, no humor das redes sociais, esta lotação é quase toda espiritual. “Só tinha anjinhos na plateia, por isso a gente não via”, escreveu no Twitter um dos espectadores de uma das sessões vazias.

A Veja também apurou que o lançamento, com números de blockbuster, não gera filas em lugar nenhum, conforme acontece com as exibições de outros filmes de vendagem similar.

LEIA TAMBÉM:
Sucesso de Os Dez Mandamentos inspira o surgimento da Record Filmes
O Telecine, canal pago da Globo, vai exibir Os Dez Mandamentos

Wilson Vianna é jornalista, cinéfilo e fã de séries, mas se diverte mesmo é com celebridades que se levam a sério.

129 Comments

  1. Não sou religioso, mas gostaria de que fosse sucesso pela qualidade técnica da produção. O cuidado com a fotografia, os efeitos especiais são um plus. A história é mais ou menos. Gosto da visão da fé…. mas nem a existência de Moisés é comprovada pela história. Os primeiros livros da Bíblia foram escritos mais de 400 anos após a alegada partida dos hebreus (que não tem referência alguma na história egípcia, a não ser que esse povo fossem chamados de Hicsos, mas os Hicsos não eram escravos).

    • Pessoa pensante - 4 de fevereiro de 2016

      “nem a existência de Moisés é comprovada pela história ”
      Kkkkkk
      Fala como se a de jesus e dels fossem…

    • PUTZZ, VOCÊ ESCREVEU DEUS COM “L”. JOGA SEU MODEM FORA POR FAVOR!!!

    • Em respeito da palavra “DEUS”, algumas culturas evitam mencionar e escrever o nome do CRIADOR em vão. Ou substituem com D_US, DELS ou D*US. O Judaísmo é um deles que abreviam o nome “Dele”.

    • Jesus é praticamente uma unanimidade entre os historiadores de que ele existiu, a única coisa que se discute são as histórias dos milagres…
      Apenas para constar, sou ateu…

    • Cara na verdade não, não existe nem se quer uma prova histórica concreta, sem ser a bíblia de que existiu jesus

    • Todo livro de história tem A.C ou D.C ele só dividiu a história dessa forma vai estudar ignorante.

    • Exatamente, Jesus é uma fraude!! Na verdade, nós contamos o tempo em antes e depois de cristo porque um monge chamado Dionísio resolveu trocar o calendário no século VI (ano 600) e assim o que era 757 no calendário romano passou a ser o ano 1 no calendário cristão! Dizer que essa besteira de AC e DC prova que Jesus existiu é ser muito idiota!

    • cara, sem colocar religião no meio, mas tem mais provas que jesus existiu que o Imperador Júlio César. Só pesquisar.

    • A mas não tem MESMO!!!

    • Na região que Jesus teria vivido e no mesmo tempo dele, existiram 10 historiadores que certamente teriam até se encontrado com Jesus, porém nenhum deles fala nada sobre Jesus. E até o final do século I, existiram mais 30 historiadores e nenhum deles também fala nada sobre Jesus. Jesus não é citado nos anais de Pilatos, nem de Herodes, nem de Tibério. Só pesquisar?? Então me dê UM historiador que fala de Jesus. Vou te adiantar que existem 2, mas já foi provado que são fraudes da igreja católica durante a idade média. Se é tão fácil assim, me mostre os que vc sabe.

    • concordo!!!tudo fraude!!

    • Nao me parece que foivesta a intenção. Trocar é até viavel diantecde uma justificativa desta. Entao o certo seria assim: Dels, De s com letra maiuscula pois nome proprio leva letra maiuscula. Agora outros deuses que inventaram devia ser com minuscula mesmo. Foi realmentecerro de portugues.

    • Ri muito quando vi a cena do mar se abrindo…que merda!!!

    • pense bem, pq uma pessoa com sup2er poderes soh existiria naquela epoca? Depois daqueles tempos ninguem apareceu no mundo com toda aquela punjança. Eh logico que tudo nao passa de historia, lenda…mas..como as pessoas precisam acreditar em algo. Gostaria de saber quem inventou os dinossauros, ja que a biblia nao fala deles…sera que eh pq naquela epoca ninguem tinha desenterrado, nao existia estudo sobre estes animais? Fala serio

    • Nathan Araujo - 6 de fevereiro de 2016

      Pq a biblia falaria de dinossauros?
      Primeiro que na época dos dinossauros não existia humanos (sapiens), muito menos profetas. Cara, até se eu fosse ateu essa pergunta não teria lógica.

    • A bíblia fala sobre a criação da terra, que vem antes dos dinossauros, mas pula a parte que falaria de dinossauros. O seu comentário que não teve lógica. Reflita sobre essas coisas.

    • Imagine aí ..se a palavra de Deus contasse a vida de todos os animais …Perae né …ela resume , no princípio Deus criou a terra e dps os seres . pronto resume tds os animais ….e sobre os poderes …ali Deus queria provar para os egípcios que ele era Deus e o poder que ele tinha. , não gente que tinha poder …, e outra coisa hj ainda sim Deus tem poder sobre tudo e ele usa quem quer …os que serve somente a ele , e cumpre os teus mandamentos ..leia a palavra de Deus e VC conhecerá ele .antes de ficar falando merda

    • Por que ela falaria da criação do mundo (e ela fala), então? Tinham humanos lá, na separação do mar, céu e terra, luz etc? Sua lógica é bem furada.

    • Nada a ver seu comentário, a Bíblia fala que não existia nada, então deus criou a terra, os animais e os humanos… ou seja, nao teve esse tempo entre a criação da terra e o surgimento dos humanos sem que em nenhum momento a bíblia fizesse nem sequer uma citação dos dinossauros.

    • Na boa, só se eles tiverem alterado muito bem no filme, porque o trailer ficou uma porcaria… Falta muita qualidade técnica. Não sei quanto ao roteiro, porque me recusei a assistir ao filme, mesmo me oferecendo ingressos gratuitos na porta do cinema (sim, recusei porque detestei o trailer)
      E os (d)efeitos especiais são ridículos… Dá para ver em várias cenas que eles utilizaram chroma key. Dá para sentir a modelagem 3D quase virando cartoon.

    • benedito rodrigues de souza filho - 7 de fevereiro de 2016

      Não SEI QUE PRETENDEM ESSA IMPRENSA! não sou religioso, e no dia da estreia,por coincidência passei por 4 cinemas,zona sul,meyér e centro e niterói.tive que passar por estes bairros,em todas havia fila kilométrica,e logico havia muitos evangelicos.porque tanto preconceito,porque tanta mentiras,não basta perseguir pt,lula,dilma,ao ponto que, outro dia estavam discutindo,um grupo de taxista e afirmavam,nunca existir o canal da transposição,pois nunca viram anunciar na televisão.e isso que a população brasileira quer,estava conversando com uma amiga moradora antiga do leme,com 50 anos e nunca trabalhou,e recebe 16 mil de pensao do pai,falecido general da reserva,perguntei o ódio do pt a resposta,quase veio mais rápido que a pergunta,antigamente podíamos ver juntos nossos amigos,empregos de qualidade para nossos filhos netos sobrinhos,empregos públicos era nosso. banco brasil caixa justiça e outros agora e só concúrsos e os míseraveis,conquistam e os nossos ficam de fora. empregadas?salario de uma hoje,antigamente dava para pagar três.ew tem sempre os de sempre,revistas faxistas como vêja e outras.

    • Vai aprender a escrever pra ser lido e ouvido.

  2. Não fui ao cinema, assisti apenas na TV e achei fantástico, gostei muito mesmo!

  3. Estamos diante de um grande Fenómeno.

  4. Nelson Ribeiro CALA A SUA BOCA RAPAZ TU NEN SABE O Q ESCREVEU AE APOSTO Q VC DEVE SER UM HOMOSSEXUAL TENTANDO MUDA O Q ESTA NA BÍBLIA COMO MTOS QUEREM FAZER … LAMENTAVEL VC E ESSA RAÇA IMUNDA

    • Marcos Markinho - 3 de fevereiro de 2016

      Se for boiola, é realmente pertece a essa raca imunda
      kkkkkkkkkkkkk

    • Não seja intolerante Carolina, cada um tem o direito a dar sua opiniãoe ter sua própria crença, isso não torna ninguém homossexual e mesmo que a pessoa que fez o comentário for, isso não a diminui como pessoa ou faz estar mais certa ou errada. E pelo seu português, acho que quem não sabe o que escreve é você

    • Aŕasou!!!

    • nem sabe escrever, vai saber estória.

    • Cara, vc não sabe escrever não, é História e não estória

    • Estória está correto, meu bem. Estória significa mito ou surreal; fábula. E história, algo que realmente aconteceu. Vamos estudar um pouquinho, não é?

    • Estudar realmente é bom, e se fizesse isso, saberia que hoje se usa somente “história”. Estória caiu em desuso.

    • Gilberto gonçalves - 5 de fevereiro de 2016

      Escreve-se “história”

    • E QUEM VOCÊ PENSA QUE É PARA TAMBÉM FALAR COM ALGUÉM DESTA FORMA? HEIN SAGRADA?
      ESTÁ SE ACHANDO A PRINCESA ESCOLHIDA UNGIDA?
      CALA A TUA BOCA TAMBÉM!

    • Imunda é vc, o cara deu a opinião dele e não criticou essa sua religião que fica julgando as pessoas, chamando de homossexual sem nem saber. Se alguém dá o a bunda dá pq quer, não se esqueça que a bunda é dela e não é sua e vc não tem nada ver com isso. (Não estou falando do Nelson mas sim sobre o preconceito dela sobre os homossexuais)

    • Raça imunda é a de mulheres solitárias e mal amadas como você deve ser, que tem ódio de tudo e todos por ser uma pessoa infeliz e desprezível. Gente feliz minha querida, não espalha ódio ou preconceito. Volte para uma escola e aprenda português, depois tome aulas de amor ao próximo e julgue menos, Vc não é ninguém além de um ser de vergonha e desprezo! Pessoas como você sempre serão sozinhas e frustradas. Respeite a opinião alheia e ponha-se em seu lugar!

    • Onde é que eu assino? Gustavo, parabéns, porque você disse exatamente o que eu estava pensando quando li o comentário dela.

      E a propósito, Carolina, homossexuais não são uma raça porque só existe uma única raça (A RAÇA HUMANA). Quer você goste ou não, um heterossexual (como eu, só para constar), uma pessoa preconceituosa (como você) e qualquer homossexual pertencemos à mesma raça humana.

    • Concordo com você, Gustavo. Usou lógica e argumentos.

    • Pior que o desrespeito e falta de amor ao próximo é ser uma mulher amarga, sozinha e mal amada! Isso sim é que é uma raça imunda, pessoas como CAROLINA que espalham ódio contra tudo e todos. Gente feliz não se importa em apedrejar o próximo, julgar ou apontar! Muita pena de pessoas como você, que passarão o resto da vida miserável, sem amor, sem ninguém, se achando no direito de julgar o próximo por sua simples opinião sobre um tema! E volte para a escola querida, ao menos aprender a escrever, já que é a única coisa que te resta além de ser mal comida! Que Deus tenha pena de você!

    • Isso aí… Comece a condenar os outros e pule no colo do capeta, segundo a religião cristã…

    • Tem sempre que ter uma semi analfabeta pra abrir a boca e vomitar bosta, isso sim é LAMENTÁVEL. Cala isso que você chama de Boca Carolixo. Volta para o ensino fundamental por que nem escrever você sabe. Raça imunda é isso que você vê quando se olha no espelho. Aqui voz fala SIM um homossexual com instrução e formado no ensino superior. É impressionante como a cada dia que passa mais lixo como você aparece. Não é a toa que o Brasil tá essa merda com esse monte de bosta nascendo, acho que jogaram o feto fora e criaram o resto da placenta.

    • É tão valente essa Carolixo, Não tem coragem demostrar a cara. aposto que é dessas que postam no face mensagens de amor ao próximo, depois lê uma reportagem qualquer e vai falar merda e xingar os outros e não tem a coragem de mostrar a cara. CAROLIXO

    • Não, do jeito que você está falando faltando com respeito ao próximo, merece um espelho para ver quem realmente é a “raça imunda”

    • Intolerante.

    • BURRA com B de BESTA e R de Ridícula. Em nenhum momento o Nelson falou queria mudar o que está escrito na Bíblia. Ele só disse que não há comprovação histórica de que Moisés realmente existiu e que os hebreus foram realmente escravizados pelos egípcios. Inclusive, elogiou a fé de vocês com relação a esses acontecimentos, o que é realmente louvável. Agora, se você vai usar a Bíblia para discriminar o cara por ele, supostamente, ser homossexual, minha querida vá estudar mais e ler um pouco mais a fundo esse livro que é tão precioso para vocês. Lá você vai encontrar que as mulheres, em hipótese alguma, podem se referir aos homens como iguais, pois segundo esse livro elas são inferiores aos homens. Logo, se eu sou homem e você é mulher, você deve estar submissa a mim, pois você é menos inteligente e inferior a mim.
      Outra coisa, você só pode conhecer Deus a partir de mim, do seu marido, do seu pai, etc., pois Deus fez o HOMEM à sua imagem e semelhança, não a mulher. A mulher foi tirada da costela do homem, portanto, não pode pensar por si só.
      Obrigado, de nada!

    • Kkkk vc n deve ser crente….
      Que tipo de gente é vc pra chamar uma raça de imunda?? Cheia de pecados.. vai se libertar primeiro querida.. Nem Jesus crucificou ninguem. É por gente crente q nem vc… q as igrejas estao uma merda… tudoo falso.

    • Qual seu problema com os homosexuais? Vc quer ser um e nao tem coragem ne? Se assume E vc deve ser uma sapatao encubada, labe buceta e fica c esse rabo coçando ai. Vai arrumar um saco de pica pra sentar vagabunda despeitada.

    • Olha o preconceito Deus não se agrada disso

    • E vc deve ser uma pessoa “de Deus” chamando ao outro de “raça imunda”. Não, com essa atitude prov que pode até ser religiosa, mas não de Deus.

    • hahahaha bem cristã você. Vai converter muita gente desse jeito. Vai nesse esquema de ofender as pessoas que vc um dia monta uma igreja.

    • Carlos Eduardo - 5 de fevereiro de 2016

      Sua retardada, o nome dele é Nelson Pereira e não Ribeiro! Imunda é você sua tapada acéfala. Ninguém muda o que está escrito sua burra, o máximo que se pode é provar que o que está escrito não é verdadeiro! Larga o pau do pastor e vai estudar um pouquinho, sua ignorante.

    • Se você for uma cristã com esse linguagem ofensiva, esta de parabéns. Mais fácil um ateu conseguir salvação sendo um ser humano exemplar do que uma cristã que não sai da igreja e é um lixo de ser humano.
      Fica a dica.

    • Garota, larga o filme e vai rezar, quando odio! Isso faz não pra vc.

    • Como tem gente com neuronio degeituoso no mundo.
      So assim pra explicar porque tanta gente acredita em contos de fadas.

    • Seu deus te ensinou a ser intolerante, preconceituosa e cheia de ira assim? Eu heim. Se eh isso que seu deus prega, to fora. Continuemos no ateismo.

    • imunda é vc

    • Essa Carolina é una analfabeta e fanática! kkkk Ela não coloca pontos ou virgulas no seu texto. BURRA

    • Vc parece mesmo uma seguidora de Jesus kkkk

  5. Chupá macedinho kkkkkkkkkkkkk
    Filme bosta!!! ‘

  6. Ninguém chuta cachorro morto!! Se tão querendo chutar os DEZ MANDAMENTOS, q está sendo um fenômeno., é Pq está incomodando os recalcados!! Delculpe-me, mas pior coisa é a dor de cotovelo!!

  7. Como filme está muito longe da qualidade de “os dez mandamentos” de Cecil B. de Mile de 1959. Muito além também do tosco “deuses e reis” de Ridley Scott de 2014 que conta a mesma história. Mas será muito bom para o cinema nacional se mais filmes com uma produção esmerada como essa forem produzidos. Assim um dia teremos o que pode ser chamado “cinema nacional”. Parabéns aos produtores pela iniciativa. Quanto à veracidade da história a Bíblia é clara: “a fé é certeza de que existe (ou vai existir) algo que você acredita!

  8. DoR de cotovelo é terrível, globo , veja , uol é tudo farinha do mesmo saco . Estao se tremendo todas ….

  9. Como pode isso ,se ne estreia foram mais de 600 mil pessoas,mesmo tendo salas vazias eu acredito que 600 mil pessoas para uma estreia nacional e muito bom.Eu acredito que devemos,separa os dados ,do nosso preconceito contra eles.

    • A matéria apenas fala que é paradoxal, o número de ingressos vendidos com o número de pessoas em sala.

  10. Que ótimo que estão vazios, assim assisto com mais tranquilidade sem gentinha que ri quando não há graça e o melhor, não terá crianças chatas conversando e gargalhando na sessão, conversando…
    Estou ansioso para ver o filme, porque a novela foi espetacular!

    • Crianças são crianças e ñ robôs, chata deve ser vc q reclama das crianças, já q quer tanto ver um filme religioso q tal aprender um pouquinho do q está na Bíblia, Jesus disse deixai vir a mim as criancinhas!!! #FICAADICA!

  11. Não vou perder tempo respondendo a “pessoas” como vocês que falam mal dessa Maravilhosa Produção! Eu só tenho a dizer que AMEI, AMEI, AMEI! Já assistir duas vezes e vou assistir de novo!

  12. só se for em são paulo porque em joão pessoas todas as salas super lotadas, isso não procede por aqui tá muito sucesso mesmo em joão pessoa ingresso esgotado,

  13. Ô turma podre essa do macedo, hein? Querem fazer história na marra (afinal, nem de longe esse “filme” tem qualidade cinematográfica aceitável), não tem nem como comparar ele com sucessos recentes do cinema brasileiro, pq é uma produção de novelinha. Macedo realmente enlouqueceu, depois que obrigou os membros a passarem necessidade para construir o templo de salomão… até começou a se fantasiar de rabino!!! kkkkkkkkk é muito absurdo, só rindo muito da cara desse tosco.

    • é isso ai turminha podre e sem cerebro diga-se de passagem pelos comentários como diria Zé Ramalho vida de gado povo marcado heeee povo feliz vão á merda com esta porcaria

  14. Que a novela foi boa não se discute.
    Mas daí querer empurrar filme com números comprados por fanáticos alienados e como se vc contar uma uma piada e rir sozinho.

  15. Eu não sou membro da igreja mas vi o filme, sim a sala estava bem vazia mas a qualidade que estão falando que o filme não tem, não procede. As atuações foram ótimas, o cenário incrível, fotografia perfeita, tem a história de fato bem corrida, resumida mesmo, mas a cena inédita que tanto falaram serviu exatamente para “explicar” o motivo do resumo, claro foi resumido por que são cenas de uma novela cortada para virar um filme, mas não foi simplesmente cortado e eu achei isso genial.
    Sei que muitos não confiam, não acreditam, ou simplesmente não gostam do Edir Macedo, eu mesmo não confio nele mas isso não é motivo para faltar com respeito aos evangélicos da Universal, afinal atualmente lutamos tanto por respeito e igualdade, julgar uma pessoa pela igreja que ela frequenta é no mínimo falta de senso. Cada um com sua religião, crença ou descrença, o que não pode faltar é respeito entre as pessoas.

  16. Esse povo da univer$al são todos retardados!!! A igreja compra todos os ingressos,com o dinheiro do dízimos. E fala que é um fenômeno kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Ingressos esgotados e salas vazias kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Ah,lembrei… O horário do filme é o mesmo horário do culto.E ninguém pode faltar o culto! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  17. Lavagem de dinheiro descarada. Lavanderia fiscal dos gigolôs e cafetinas de Cristo trabalhando a todo vapor.

    • Li muitos comentários, até chegar ao seu. Agora posso ir dormir em paz sabendo que, pelo menos mais uma pessoa, não engoliu essa de “Compraram ingresso pra dar aos fiéis e eles não foram ao cinema…”.

      Isso é lavagem descarada de dinheiro sujo. Agora o dinheiro sujo virou lucro do filme… limpinho e imaculado… prontinho pra ir pras contas bancárias dos envolvidos.

      E as mulas aplaudem…

  18. Sou ateu, graças a deus.

  19. Ae você lê os comentários e vê gente que se diz de Deus falando mal e criticando o próximo por ser ou não homossexual, outros agradecendo pq não haverá criança na sala de cinema e outros tipos de pessoas meio que a ofendendo as, vai entender essa geração de pessoas religiosas que praticam o contrário do que pregam.

  20. Ohhh gente burra isso ta me cheirando e a lavagem de dinheiro e muito simples , eu um grande fiel dono de uma empresa de cinema , e alguem que precisa lavar seu rico dinheirinho que foi ganhado de forma ilicita o que eu faco compro 22.600 ingressos ou mais , e coloco eu dinheiro em circulacao no mercado de movo com um acordo com a propria empresa de cinema ele fica com um percentual eu com meu sujinho limpo dessa vez e a bulheteria la em cima e todos saimos felizes para sempre , pequenas igrejas grandes negocios

  21. vcs São todos uns idiotas mesmo, o filme e extraordinário, vcs tão e com inveja do Edir Macedo, admite

  22. Seus crentes retardados. Somente com a universal comprando os ingressos conseguem essa proeza, ingressos esgotados com finemas vazios. Kkkkkkkkkkkk. Vocês pentecostais são uma piada faz tempo. Kkkkkkkkkkkkkkk. Cadê as filas do cinema?! Kkkkkkkkkkkkkkkk. Vão lá, sentem-se no sofá e esperem mais 2000 anos o jessuis voltar. Espera sentado. Kkkkkkkkkkkkkkk

  23. É engraçado a igreja falar que não comprou ingressos, minha sogra faz parte da mesma, e já ganhou 8 ingressos para o filme, e todos eles são meia entrada . Como sempre essa igreja mentindo.

  24. Se a igreja comprou os ingressos ou não isso não importa. O filme foi bem produzido. Eu não entendo como a pessoa vem aqui criticar o bispo Macedo só porque ele teria comprado os ingressos? Faça me o favor! Ele faz o que quiser com o dinheiro dele. Se ele quer promover o filme não vejo problema em comprar os ingressos. Se bem que acho muito difícil ter sido ele. O provável é que os pastores arrecadaram ofertas para a compra dos ingressos. E daí? Cada um faz o que quer respeitando os limites da lei. Pronto falei

  25. Maior lavagem de dinheiro da historia. Esses pastores da universal, sempre inventando um metodo novo pra lavar o dinheiro que ganham com os otarios que frequentam as igrejas deles

  26. O que Rede Globo, revista veja, portal UOL e outras empresas da imprensa marrom brasileura publicam, não deve ser levado em conta.

  27. Rodrigo Gama do Amaral - 4 de fevereiro de 2016 reply

    Irmãos, riremos… quer dizer, oremos!! não, não é riremos mesmo.

  28. Sinceramente..
    Confesso que gostei da novela, mas o fato dessa produção ter batido recorde de bilheteria e não de público dentro das salas de exibição realmente chama atenção pelo fato claro de haver MARKETING RELIGIOSO, usando o nome de Deus e de Jesus Cristo de maneira comercial através de indução ao fanatismo religioso. Muitos se esquecem de que Edir Macedo além de ser líder da IURD com filiais em vários países, ele tbm é dono da REDE RECORD DE TELEVISÃO, e é notório que muitos de seus funcionários (pastores), tenham comprado a bilheteria em altas cifras pra garantir o suposto sucesso do filme. Isso é fato… e não precisamos ser DETETIVES pra deduzir e comprovar que essa teoria é a mais plausível pra explicar essa baixa de espectadores e a alta de bilheteria.

  29. Pra quem não entendeu, é assim que se lava dinheiro 😀

  30. A Mídia, como sempre, tentando manipular informações. Isso é ridículo. Assisti o filme na estreia, sala lotada, foi perfeito. Quanto aos críticos, façam melhor, o que eu duvido que possam fazer! Tem lugar pra todo mundo : evangélico, católico, ateu e pra concorrência também, por que não?

  31. Acho triste essa maneira das pessoas misturarem as coisas tem nada a ver o filme com gays e falar mal da record e universal nem que tem que ser religioso pra assistilo e um filme apenas com uma história verídica atual com os males e os preconceitos que existem ate hoje parem com isso a coisas mais importantes a serem faladas

  32. Há há Tolos!!!
    Não vêem que só querem dinheiro!
    Quantos de vocês estiveram comentando sobre os tratos de Deus com os de seu povo?
    Quantos estiveram atentos aos tratos de Deus contra o arrogante Faraó?
    Esta historia foi colocada na Bíblia para este fim como Deus salva seu povo e sempre salvará, e como ele trata os que acham que podem mais que ele!!
    Foi o que eu li na Bíblia!! Mas ao invés disso vocês comentam, e até brigão, pela produção e elenco assim como bilheteria há há há… essa é a mensagem que os criadores desse filme passaram, NADA BÍBLICO, SÓ VAIDADE E ROMANCE! Por isso que a bíblia diz que a mensagem bíblica deveria ser gratuita para não ter estas discussões imuteis. Prefiro alguma produção barata e feia mas que transpareça a VERDADE BÍBLICA do que uma “”””””””””Bela produção”””””””””””””” como esta que traz discórdia e ainda é mentirosa! Por isso que não gosto de religião.

  33. Sou católico. E respeito todas as religiões. Vejo mt falta de respeito por parte dos evangélicos. Seu Deus eh o mesmo que o meu? Pq o Deus que eu vener . Me ensinou a amar e respeitar as pessoas. Incluindo inimigos. E ensinar o caminho. Diferente do que alguns aqui estão fazendo, ofendendo, atacando homosexuais, ateus, etc… Acho melhor ler a bíblia com atenção. Vcs não são diferentes de ateus que os ofendem TB. Isso eh guerra de opinião, deus n ensinou isso… Sobre o filme. Espetacular. Gostei muito. Estão de parabéns. Infelizmente a notícia sobre cinema vazio eh verdadeira. No RJ tinha pouca gente. Uma pena, filme digno de lotar.

  34. O fim dos tempos pode surpreender à todos!E diante disso quem somos nos pessoas carnais sujeitos à pecar a qualquer instante falar do seu proximo homossexual, traidor e pecador, lembre-se que Deus é pra todos e pra tudo e pode mudar a vida das pessoas!Ame ao proximo como a ti mesmo!Nao espere nada em troca, e se vc for perfeito o bastante ignore essas palavras e atire a primeira pedra, ond houver mentira Ele tratara de apurar, mas necessitar de mudança so ele pode fazer isso e mais ninguem.Apenas ajude as pessoas sendo elas homossexuais, heterossexuais, alcolatras, pois Deus honrara sua bondade .As pessoas que erram como eu continuem com Deus e nunca largue a mao Dele , pois mudanças surpreederam à todos!

  35. Fui assistir segunda feira, adorei. As salas estavam lotadas, sim !!!!!

  36. Quanta coisa inútil

  37. TODO O PRODUTO QUE TEM ORIGEM NA IGREJA UNIVERSAL COM CERTEZA NÃO É CONFIAVEL, ENGANAÇÃO, TUDO ARTICULADO PARA LOGRAR, NEM OS EVANGELICOS QUISERAM VER ESSE ESTRUME.

  38. Estou perplexe com tanta agressividade ! O comentario e sobre o filme e não para difamar as pessoas ! Mas deixo aqui minha indignação, país do futuro educaçao do passado.

  39. Alan Pires Ferreira - 5 de fevereiro de 2016 reply

    Ano passado as igrejas brasileiras declararam ao fisco um lucro líquido de R$20 BILHÕES pelos quais não pagaram NENHUM tostão de impostos. Somos nós os dizimistas involuntários que cobrimos esse rombo fiscal. Tendo trouxas como nós para pagar a conta, fica fácil sobrar dinheiro para satisfazer a vaidade do pastor de fazer o campeão de bilheteria por bem ou por mal.

  40. ME ESPANTA EM VER QUE O SITE É PARCEIRO DO R7 da Record, do Edir Macedo, kkkkkkkkkkkkkkkk

  41. O melhor desta matéria são os comentários. Muito divertido. Uns quase certos outros nem tanto, mas todo mundo com sua razão!

  42. Eu estive no sabado passado no Kinoplex Osasco com minha família para assistir o filme e na sala que eu estava não tinha um lugar vazio se quer, adorei o filme pois não ti nha visto a novela, não sou evangélica mais acima de tudo acredito em Deus e em seus feitos. Posso dizer que tinha público de todas as idades. Talvez as fontes pesquisadas pelo jornalista em questão não reflita o acontecido de todos os cimenas, mais de alguns, pois no cinema que eu estava com a minha família estava lotado.

  43. É TÃO MERDA QUE NINGUÉM QUE COMPRA O INGRESSO QUER VER ASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEHASEHUHAUSEHUASHEUHASEUHASUEHAUSEHAUSHEUASHEUAHSEUHASUEHAUSEHUASHEUASHEUAHSEUHASEUHASUEHUASEHUASHEUASHEUASHEUHASEUHAUSEHUASEHUASHEUASHEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASEHUAHSEUAHSEUHASUEHASUEHAUSEHUASEHUASHEUAHSEUAHSUEHAUSEHUASEH

  44. Como produção eu daria a nota máxima , como história eu acho que harry porter é mais convincente.

  45. Bem é só eu que acha que isso não passa apenas de uma lavagem de dinheiro na cara larga ao ponto de um cara comprar 22.700 ingressos com o dinheiro que não só é do povo que vai na universal assim de qualquer outra coisa que os mesmos fazem pois é só pensar racionalmente:
    No cinema não importa como você paga ninguém precisa saber de onde veio o dinheiro ele entra de qualquer forma e se torna limpo que bonito hehehe, depois ele vai para o pessoal do cinema que tem sua parte e logo depois vai para tan tan a produtora que é da Record olha só dinheiro limpinho para fazer o que quiser.

  46. O nível intelectual dos comentários (tirando uns 3 ou 4) aqui são lamentáveis.

    Eu nem queria comentar mas há algumas coisas que precisam ser lembradas:
    Primeiro que o que está em discussão na matéria não é a inexistência de deuses e fantasmas.
    Segundo que a qualidade do filme também não está sendo questionada.
    Terceiro, e não sei como chegaram a isso, não é a homossexualidade que está em debate.

    O que precisa ser averiguado nessa situação da venda recorde dos ingressos, sem público presente na hora do filme, é se há lavagem de dinheiro e outras irregularidades, e que eu aposto com todos os meus bens que sim, há mosca nessa sopa!

    O Brasil já é um esgoto e a maioria do povo são ratos e baratas!

  47. Será que nenhuma autoridade pensou na hipótese de uma fenomenal lavagem de dinheiro?

  48. assisti 3 vezes.. todas as 3 vezes qui fui, a sala estava cheia…
    …globo como sempre inventando historinha.

  49. Melissa Votorantim - 7 de fevereiro de 2016 reply

    E é por essas e outras razões que os cinemas estavam vazios, a questão da Bíblia e seus contos de fadas, quando comparamos com o comportamento de muitos evangélicos hoje em dia sem falar dos pseudo pastores deixam muito a desejar, ou seja, não passa de uma utopia e verdadeira hipocrisia, salvo poucas exceções.

  50. PAREM DE COLOCAR JESUS NESSE PAPO IDIOTA…JESUS N TEM ND A VER C ESSA UNIVERSAL…JESUS É DEUS E N ESTA INTERESSADO EM FAROFADA DESSE MUNDO IMUNDO…BANDO DE BURROS E IGNORANTES…JESUS É A MAIOR FORÇA Q SE PODE ENCONTRAR….O SER HUMANO TEM ORA Q DA VERGONHA NA GENTE…..É EU TMB SOU SER HUMANO,,,SERÁ Q SOU BESTA ASSIM??????PROCURO N SER…..FICAR COMENTANDO NOVELEKAS DE QUINTA E FILMECOS DE ULTIMA…SEPARA DEUS DISSO….

  51. Se alguns seguidor alienado do movimento Neopentescostal souber ou poder mostrar na Bíblia onde Jesus esteve entre seus 12 anos quando discutia com os sábios no templo e seus 30 anos quando foi batizado por João Batista, talvez eu possa dá algum respaldo ao livro de contos de fadas conhecido como Bíblia.

  52. Estranho… amigos meus estão dizendo que os cinemas onde foram estavam lotados… enfim…

  53. Aqui em Curitiba sei que a igreja comprou ingressos por R$ 9.50 e fez os fiéis revenderem por R$ 25.00…com certeza o bispo macedo comprou pra fazer volume…kkkkkkk…

  54. Vejam a que ponto chegamos. Dizem em liberdade de expressão e confundimos com libertinagem. As pessoas se agridem por nada. O que é história para uns é estória para outros. Caso a igreja comprou os ingressos com o dinheiro de seus fiéis.É um problema da igreja e de seu povo que aceita. O que posso observa é que as pessoas estão cada vez mais irracionais nas questões do seu ” eu “. Então senhores discutam o tema. Pois pessoas são diferentes, não queiram que as opiniões sejam iguais, façam criticas construtivas.Eu sempre falo que seu Ateu graças a D´us. Pois a maior igreja é seu lar e sua família. Não deposite sua confiança e nem seus bens nos outros. A igreja foi criada para a alma e que vejo hoje são guerras religiosas, seja por armas ou por falacias. E são todas as religiões. Pensem e vamos ser melhores.

  55. Bom…. Não esperem para ver uma indicação ao oscar.. Filme carnaval globeleza, de egito não tem nada. Ler a biblia vale mais a pena.

  56. O texto do artigo é muito bom, mas os comentários dos leitores que querem expressar suas opiniões pobres em cultura deixam tudo mais divertido.

  57. sai da universal a 4 meses,me libertei das redeas ,sempre achei um mal gosto novelas e series de qualquer rede ,mas tenho certeza sem erro que nos cultos de domingo os pastores ordenaram e praticamente colocaram 10 ingressos para cada pessoas com um envelope junto valendo pelo menos 100,00(para que a obra de Deus(universal bispo macedo )nao fosse envergonhada!aposto!eles fazem isso nas eleiçoes dao 10 santinhos de escolha deles e mandam convocar 10 pessoas a votarem nele que geralmente e um pastor ou bispo de la!abordagem ao final dos cultos e tambem vi obreiros dentro das sessoes de votaçao perguntando se a gente fez certo?e um tipo de hitlerismo ou um walking dead por ai fiquei 12 anos,mas ainda me arrependo do tempo e dinheiro que perdi!

  58. Se realmente é lavagem de dinheiro esse filme é maçante e mal feito c\ atores medíocres… como pode um crítico fazer esse comentário de salas vazias num site da Rede Record? Ou ele quer ser despedido desse emprego, e processar a Record pra muita lama vir a tona … ou há alguma intenção obscura nesse fato, pq eu não entendi.

  59. Deus criou o homem a sua imagem e semelhança. Somos seres dotados de inteligência e sentimentos. Alguém acredita que descendemos e evoluímos de macacos?
    A natureza é uma criação perfeita. Não iria surgir de uma explosão. Religiões podem deturpar muitas coisas, mas O Criador com certeza está em algum lugar observando tudo que fizemos aqui.

  60. nem de graça eu iria ver essa Bosta…! (novela no cinema) tudo q a Record lança, é sempre o melhor do Mundo….! SQN…., afff….., VTNC EDIR…!

  61. [DENÚNCIA] semana passada comprovei com meus olhos, os ingressos estavam esgotados! Até que um homem veio até a mim e perguntou “já assistiu os dez m?” respondi NÃO, ele perguntou “quer assisti?” respondi NÃO, ele disse “é grátis não paga” respondi NÃO OBRIGADA (ele estava com monte de infressos na mão)

    Conclusão: ingressos esgotados comprado por manda chuva do pastor pra da pras pessoas para que todos assistam e sejam alienados. ABSURDO!

  62. Bom, ainda não vi o filme mas é bem possível que esteja bem perto desta bilheteria que foi citada. O Brasil apesar de ser um país laico tem em sua maioria pessoas católicas ou protestantes que são naturalmente cristãs e acreditam na veracidade das escrituras ainda que tenham pontos de vista diferentes.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.