Roteirista de Lost vai escrever o reboot de Xena: A Princesa Guerreira

Roteirista de Lost vai escrever o reboot de Xena: A Princesa Guerreira

 

O reboot da série clássica “Xena: A Princesa Guerreira” deu mais um passo para se tornar realidade. A rede americana NBC contratou o roteirista Javier Grillo-Marxuach (séries “Lost”, “Medium” e “Helix”) para escrever a história do piloto.

Segundo o site Variety, Grillo-Marxuach também servirá como produtor executivo da nova versão, ao lado de Rob Tapert, cocriador da série original, e do cineasta Sam Raimi (trilogia “Homem-Aranha), que produziu a Xena dos anos 1990.

A atração também deve contar com algum envolvimento de Lucy Lawless, pois, além de ter estrelado a série clássica, ela é casada com Tapert. Durante uma entrevista na última Comic-Con, a atriz revelou ter vontade de ver Xena de volta às telas: “Há uma onda de interesse ainda”, disse Lucy. “Os fãs ainda perguntam quando o filme da Xena vai chegar. Acho que seria divertido ter um reinício”.

Criada por John Schulian e Robert Tapert, “Xena: A Princesa Guerreira” surgiu como uma produção derivada de outra série, “Hércules: A Lendária Jornada”, e acabou sendo exibida por seis temporadas, mostrando as aventuras da guerreira, que tentava se redimir de seu passado ao ajudar as pessoas. Além de Xena, a atração também destacava sua fiel escudeira Gabrielle (Renée O’Connor).

De acordo com fontes do Hollywood Reporter, a nova Xena teria que ter o charme e o carisma de Lucy, mas também a esperteza, rebeldia e liderança natural de Katniss, de “Jogos Vorazes”, resultando em uma heroína para uma nova geração.

A notícia da produção do reboot coincide com a tendência de resgate de atrações clássicas atualmente em voga na TV americana. Depois de uma minissérie que trouxe de volta os personagens de “24 Horas” em 2014, seguiram-se os retornos de “Heroes” e “Arquivo X”, e há vários outros projetos nostálgicos atualmente em desenvolvimento.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna