Juventude, de Paolo Sorrentino, é eleito o Melhor Filme Europeu de 2015

Juventude, de Paolo Sorrentino, é eleito o Melhor Filme Europeu de 2015

 

A Academia do Cinema Europeu elegeu o drama “Juventude” como o Melhor Filme Europeu de 2015. O longa do cineasta italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”) foi aclamado pelos mais de 3 mil eleitores da instituição, vencendo ao todo três prêmios na cerimônia, realizada na noite de sábado (12/12) em Berlim. Sorrentino ainda ficou com o troféu de Melhor Direção e o veterano ator britânico Michael Caine (trilogia “Batman”) com a estatueta de Melhor Ator.

Curiosamente, o filme anterior de Sorrentino, “A Grande Beleza” (2013), também foi contemplado com estes mesmos três prêmios (além de Melhor Edição), recebendo, posteriormente, o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

O prêmio de Melhor Atriz foi para outra veterana do cinema britânico, a atriz Charlotte Rampling (“Não Me Abandone Jamais”), pelo drama “45 Anos”, de Andrew Haigh (“Weekend”). Além disso, dois filmes de língua inglesa ainda faturaram os troféus de Melhor Documentário (o popular “Amy”) e Animação (o irlandês “A Canção do Oceano”).

Já o público e a crítica preferiram outras produções, dando seus prêmios, respectivamente, para o espanhol “Pecados Antigos, Longas Sombras” e o franco-turco “Cinco Graças”.

O evento também homenageou, com um troféu pela carreira, ao ator austríaco Christoph Waltz, vencedor de dois Oscars por “Bastardos Inglórios” (2009) e “Django Livre” (2012).

[symple_toggle title=”Clique aqui para conferir a lista completa dos vencedores do Prêmio do Cinema Europeu” state=”closed”]

Vencedores do Prêmio do Cinema Europeu 2015

[symple_column size=”one-half” position=”first” fade_in=”false”]

Melhor Filme
Juventude (Itália/França/Reino Unido)

Melhor Direção
Paolo Sorrentino, por Juventude

Melhor Ator
Michael Caine, por Juventude

Melhor Atriz
Charlotte Rampling, por 45 Anos (Reino Unido)

Melhor Roteiro
Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou, por The Lobster (Reino Unido/Grécia)

Melhor Fotografia
Martin Gschlacht, por Boa Noite, Mamãe (Áustria)

Melhor Edição
Jacek Drosio, por Body (Polônia)

Melhor Trilha Sonora
Cat’s Eye, por O Duque de Burgundy (Reino Unido/Hungria)

Melhor Design de Produção
Sylvie Olivé, por The Brand New Testament (Bélgica/França/Luxemburgo)

Melhor Figurino
Sarah Blenkinsop, por The Lobster

Melhor Som
Vasco Pimentel e Miguel Martins, por As Mil e uma Noites (Portugal)

[/symple_column]

[symple_column size=”one-half” position=”last” fade_in=”false”]

Prêmio Descoberta (Crítica)
Cinco Graças (França/Turquia)

Prêmio do Público
Pecados Antigos, Longas Sombras (Espanha)

Melhor Comédia
Um Pombo Pousou em um Galho Refletindo Sobre a Existência (Suécia)

Melhor Documentário
Amy (Reino Unido)

Melhor Animação
A Canção do Oceano (Irlanda)

Melhor Curta-Metragem
Picnic (Croácia)

[/symple_column]

[/symple_toggle]

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna