David Boreanaz e Emily Deschanel processam a Fox, e Bones deve acabar

David Boreanaz e Emily Deschanel processam a Fox, e Bones deve acabar

 

Os atores David Boreanaz e Emily Deschanel, protagonistas da série “Bones”, entraram com um processo contra a Fox. Na ação, aberta na Justiça de Los Angeles, eles sustentam que a rede americana omitiu lucros com a série e os ludibriou, repassando menos do que deveriam receber. Os dois estimam a diferença em US$ 100 milhões.

Além dos atores, a escritora e especialista em antropologia forense Kathy Reichs, cujos livros inspiraram a série, também processa a rede pelo pagamento que tem direito sobre lucros de licenciamentos. Os três alegam que a Fox informou valores inferiores aos negociados.

O processo também denuncia a Fox por supostas pressões nas negociações de renovação da série, afirmando que a emissora “ameaçou cancelar a produção, a menos que os pleiteantes aceitassem não participar das negociações de licenciamento e omitissem os valores dessas transações”.

Por fim, uma auditoria independente, contratada pela escritora e pelos protagonistas, acusa o canal de esconder “mais de uma dúzia de documentos com erros de contabilidade”.

Até o momento, a Fox não fez qualquer comentário sobre o processo. David Boreanaz, porém, disse recentemente, em entrevista ao programa E! News, que esta seria sua última temporada na série. Embora a Fox não tenha anunciado nada a respeito do destino da produção, não há previsão para a exibição de novos episódios além do especial agendado para 10 de dezembro, que reunirá dois capítulos de uma vez.

Atualmente em sua 11ª temporada, “Bones” é a série mais longeva da história da Fox, tendo estreado em 2005. A atração, que acompanha as investigações criminais da antropologista forence Temperance Brennan (Deschanel) e o agente do FBI Seeley Booth (Boreanaz), é exibida no Brasil pelo canal pago Fox Life.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna