Críticos brasileiros elegem Que Horas Ela Volta? o melhor filme do ano

Críticos brasileiros elegem Que Horas Ela Volta? o melhor filme do ano

 

A Associação Brasileira de Críticos de Cinema (“abreviada” como ABRACCINE) divulgou os vencedores de sua eleição de melhores filmes do ano. “Que Horas Ela Volta?”, de Anna Muylaert, foi o favorito dos críticos brasileiros, enquanto o francês “Adeus à Linguagem”, de Jean-Luc Godard, venceu como Melhor Filme Estrangeiro.

Foram considerados elegíveis os 419 filmes, brasileiros ou estrangeiros, lançados no circuito comercial do país entre 18 de dezembro de 2014 e 10 de dezembro de 2015. Com base em festivais, também foi eleito o Melhor Curta: “Quintal”, de André Novais.

O site da associação afirma que “o Prêmio Abraccine não é apenas uma enquete entre os críticos”, apontando que os vencedores foram resultados de “um processo rigoroso e seletivo, a partir de uma intensa discussão entre os seus associados”.

Apesar da tentativa de engrandecimento, porém, o “Prêmio” se resumiu à simples notificação dos vencedores, sem maiores reflexões a respeito de suas qualidades e sem a acompanhia das listas de votação de cada crítico. A associação tampouco revelou outros filmes bem votados pelos críticos, ficando apenas na divulgação dos títulos de três lançamentos de 2015, considerados os melhores por não se sabe quantos eleitores no universo da crítica nacional.

As informações que faltaram poderiam dar mais peso à listinha tríplice, assim como alimentar discussões. Afinal, Paulo Henrique Silva, presidente da Associação, afirmou em comunicado, que, “pelo fato de a entidade reunir os críticos de diversos veículos e estados”, considera o resultado “o grande prêmio da crítica brasileira, uma importante síntese do pensamento crítico sobre o ano que passou”.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna