Superprodução Steve Jobs fez só US$ 1 milhão a mais que a versão indie Jobs

Superprodução Steve Jobs fez só US$ 1 milhão a mais que a versão indie Jobs

 

A cinebiografia “Steve Jobs” deu um grande prejuízo para a Universal Pictures. O filme orçado em US$ 30 milhões e estrelado por Michael Fassbender (“X-Men: Dias de um Futuro Esquecido”) está prestes a sair de cartaz, após seis semanas de exibição nos EUA, tendo arrecadado apenas US$ 17,4 milhões. O valor supera em pouco mais de US$ 1 milhão o resultado da cinebiografia “Jobs”, produção independente orçada em US$ 12 milhões, com Ashton Kutcher no papel principal.

Considerada uma produção de prestígio pela Universal, o longa visava concorrer ao Oscar, mas o vexame não se deu apenas entre o público. “Steve Jobs” também rendeu críticas negativas e repúdio, em relação aos fatos representados. Embora haja consenso de que o retrato supervalorize os defeitos do fundador da Apple, descartando suas qualidades e realizações, o roteirista Aaron Sorkin se defendeu dizendo que há somente uma liberdade artística em todo o roteiro, que são as cenas em que Steve Jobs aparece sempre discutindo com alguém antes de apresentar um grande lançamento.

A estreia de “Steve Jobs” no Brasil está marcada somente para 21 de janeiro, quando deve ser eclipsado pelos filmes de maior destaque na temporada de premiações. Mesmo com o diretor Danny Boyle (vencedor do Oscar por “Quem Quer ser um Milionário?”) e um elenco repleto de astros famosos, o filme não é cotado para despontar entre os melhores do ano.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna